6 dicas para contratar um arquiteto

6 dicas para contratar um arquiteto

A escolha de um arquiteto é determinante para a satisfação final de sua obra. Para tomar a melhor decisão, o portal Arquitetura e Urbanismo para Todos montou uma espécie de guia de questões a se considerar na hora de contratar e que podem te ajudar a escolher o profissional mais adequado para as suas necessidades. Tenha em mente:

1) Reflita sobre o que você precisa em sua construção.

O primeiro sinal de que você precisa de um arquiteto vem com perguntas assim: “Quero construir uma casa, mas como é a casa que eu preciso?”; “Como saberei qual a melhor decisão tomar?”; “Quanto devo gastar?”; “Que tipo de imprevistos estou arriscado a ter?”; “Terei dinheiro para tudo isso?”. Quando tiver em mente as suas expectativas, contrate um arquiteto. Ele vai te ajudar a transformar isso em uma proposta, que é a base de qualquer projeto.

2) Faça uma lista de candidatos.

Para fazer a seleção, o ideal é conversar com conhecidos que já trabalharam com esse tipo de serviço ou contate arquitetos de obras com as quais você se identifica. Se ainda assim não tiver uma ideia, tente os sindicatos de seu estado e as associações de arquitetos e urbanistas.

Assim que tiver uma lista de prováveis candidatos, a primeira coisa que se deve fazer é checar se eles possuem registro no Conselho de Arquitetura e Urbanismo de seu estado. O CAU/BR possui uma ferramenta online para fazer essa checagem. Basta clicar na guia “Buscar profissional/empresa”. Lembre-se, só diploma não basta, somente arquitetos e urbanistas registrados no CAU podem exercer a profissão no país.

3) Visite as obras que ele já fez.

Arquitetos possuem portfólios para mostrar seu trabalho. Hoje em dia a maioria expõe seus projetos na internet. Leve isso em consideração na hora de avaliar quem tem o perfil mais próximo do que você precisa, mas não fique só na internet ou no papel. Visite, se possível, as obras dele e avalie sua qualidade.

4) Arquiteto é o seu primeiro representante. Use isso a seu favor.

Tudo que envolve intenção, projeto e planejamento precisa de um arquiteto desde o início. Quanto antes você envolvê-lo na sua obra, maior leque de atuação ele terá. O arquiteto é a pessoa mais indicada para representar os interesses do cliente, pois pode debater com os executores da construção quais são as melhores soluções possíveis e adequadas para cada caso. Engenheiros e mestres de obras são ótimos profissionais para pensar o processo de construção, mas a função que ela irá exercer depois de pronta depende de uma visão global e crítica que passa pela habilidade específica dos arquitetos.

Como representante dos seus interesses, o arquiteto é o primeiro a ter preocupação com a qualidade final do resultado da obra e com a sua satisfação em relação a ela. Ele é a pessoa mais indicada para supervisionar todo o processo e garantir que tudo seja encaminhado conforme decidido no projeto.

5) Não comece sua obra sem ter um projeto pronto.

Gastar dinheiro para economizar dinheiro é uma das melhores maneiras para otimizar seus recursos. “Arquitetura é um serviço de luxo” é apenas um mito muito propagado e por isso acaba se tornando uma falsa verdade. Construções não são apenas a obra, são também a manutenção futura que ela exigirá. Cada centavo gasto com os honorários do seu arquiteto retornam, seja em tempo economizado, melhor qualidade dos materiais ou a adequação da sua construção. Projetos geralmente custam de 2% a 15% do valor total do empreendimento. Por outro lado, construir sem projeto e ter de construir de novo é uma dor de cabeça que pode multiplicar o valor da obra.

 6) Na hora de definir o orçamento consulte a tabela do CAU

O CAU possui uma tabela  de honorários para nortear os valores para cada atividade envolvendo o trabalho dos arquitetos e urbanistas. Ao acessá-la você precisará se cadastrar. Os honorários podem ser pagos ao final de cada uma das fases do projeto e do empreendimento. Quando maior a complexidade, mais fases e mais reuniões de aprovação a obra demandará. Os preços dos serviços arquitetônicos podem variar muito, dependendo da experiência e especialidade do arquiteto, mas a tabela é muito útil para quem nunca contratou esse tipo de serviço poder negociar esses valores de maneira justa e transparente.

Para mais dicas sobre como contratar um arquiteto, consulte e faça o download da cartilha feita pela Federação Brasileira de Arquitetos (FNA) e pelo Sindicato dos Arquitetos do Estado do Rio Grande do Sul (SAERGS).



Artigos relacionados

Laura Rios: funcionalidade é a medida

Laura Rios exerce a Arquitetura em Fortaleza. Uma de suas áreas de interesse é a arquitetura vernacular, baseada em técnicas sustentáveis. Para ela, a melhor arquitetura é a que atende à função para a qual foi projetada. E um bom exemplo

Marcelo Perret: sustentabilidade e acessibilidade são essenciais

Para o arquiteto Marcelo Perret, conselheiro do CAU/RJ e coordenador do Comissão de Ética Profissional da entidade, a Arquitetura precisa unir acessibilidade, sustentabilidade e plástica. Ele não arrisca indicar um exemplo que una os três itens.

Pietro Montani: cada projeto é único

Arquiteto e urbanista de Manaus, Pietro Montani diz que cada projeto é único. E menciona o Ariaú Tower como exemplo de boa arquitetura amazônica.

Um comentário

Escreva um comentário
  1. João Eduardo Senedese
    João Eduardo Senedese 31 julho, 2014, 07:16

    Mais valiosas seriam dicas para que o desavisado cliente procure um ARQUITETO, porque o que muito se vê por aqui é a ridícula situação de engenheiros civis ocupando lugar de ARQUITETO assinando projetos Arquitetônicos e Urbanísticos, que são um lixo, e isso tudo sem impunidade e com a vista grossa do CAU.

    Responda este comentário

Escreva um comentário

Seu e-mail nâo será publicado.
Campos obrigatórios estão marcados*