A região metropolitana do Rio de Janeiro

A região metropolitana do Rio de Janeiro

A região metropolitana do Rio de Janeiro é composta por 17 municípios: Rio de Janeiro, Belford Roxo, Duque de Caxias, Guapimirim, Itaboraí, Japeri, Magé, Nilópolis, Niterói, Nova Iguaçu, Paracambi, Queimados, São Gonçalo, São João de Meriti, Seropédica, Mesquita e Tanguá,.
A mudança da capital para Brasília em 1960, provocou uma crise que só agora começa a ser superada. Como capital, a cidade abrigava um importante setor
bancário, a sede de numerosas empresas privadas e estatais e ainda um
amplo sistema de transportes. Mas a economia fluminense perdeu capacidade competiva quando o eixo mais moderno da industrialização transferiu-se para São Paulo e o fato de deixar de ser o Distrito Federal fez com que muitas sedes de empresas estatais e privadas abandonassem a cidade.
Apesar desse processo, a região metropolitana fluminense seguiu sendo o segundo pólo de concentração de [opulação e atividades econômicas do país, no que se refere ao volume de atividades, fluxos e oferta de bens e serviços mais raros e avançados, característicos da “nova economia”.
A densidade econômica da área é revelada pelo número de agências bancárias (1.104), pelo volume da movimentação financeira e pelo número de sedes de empresas dentre as 500 maiores do país (60), bem acima de Belo Horizonte, o terceiro polo: a região mineira abriga 450 agências bancárias e 21 sedes de grandes empresas.
Mas a região metropolitana do Rio registrou a menor taxa de crescimento demográfico dentre as metrópoles – 1,1% ao ano – o que exulta num saldo migratório negativo.
Ao se tornar sede da próxima Olimpíada, o Rio de Janeiro pode ter começado a reverter este quadro. Mas os desafios são gigantescos.


Artigos relacionados

São Paulo

Se fosse um país independente, a cidade de São Paulo seria a quinta maior economia da América do Sul, atrás somente de Brasil, Argentina, Colômbia e Venezuela, e superando a riqueza de Paraguai, Uruguai, Equador e Bolívia juntos, em razão

Primeira edição do Arq21 debate assuntos ligados à metrópoles contemporâneas

Inicia nesta quarta-feira, dia 24 de fevereiro, o circuito de seminários do projeto Arq21, realizado pelo IAB.

São Paulo e Rio – potencial para serem cidades globais

Nova York, Londres, Paris, Tóquio e Hong Kong lideram o ranking da A. T. Kearney, uma consultoria internacional, como as cidades mais globais do planeta. Antes da atual crise argentina, Buenos Aires entrou na lista dos 20 lugares que mais

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Seu e-mail nâo será publicado.
Campos obrigatórios estão marcados*