Affonso Eduardo Reidy

Affonso Eduardo Reidy

Affonso Eduardo Reidy nasceu em Paris, em 1909, mas fez sua carreira no Rio de Janeiro, onde faleceu, em 1964. Antes mesmo de formar-se na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), em 1930, foi estagiário do urbanista francês Donat Alfred Agache (1875-1934), responsável pela elaboração do Plano Diretor da cidade. Reidy tornou-se professor logo após concluir o curso e em 1931, venceu, com Gerson Pompeu Pinheiro (1910-1978), o concurso para a construção do Albergue da Boa Vontade, seu primeiro projeto construído, e uma das obras pioneiras do modernismo no Rio de Janeiro.

Boa parte de sua produção foi na condição de arquiteto da Prefeitura do Distrito Federal. Foi chefe da Secretaria Geral de Viação, Trabalho e Obras e diretor do Departamento de Habitação Popular e do Departamento de Urbanismo até aposentar-se depois de três décadas dedicadas ao funcionalismo e a bons projetos.

Em 1936, integrou a equipe liderada por Lúcio Costa que realiza o projeto do Ministério da Educação e Saúde, mais conhecido como Palácio Gustavo Capanema. Também coordenou o projeto de urbanização do Centro do Rio de Janeiro, base para o desenvolvimento do Aterro e Parque do Flamengo, 1964. No campo da habitação social criou os projetos dos conjuntos Habitacional Pedregulho, 1946 que lhe valeu o primeiro prêmio na Bienal Internacional de São Paulo.
Mas seu projeto mais festejado é o do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ), 1953, a primeira obra em concreto aparente no país.


Artigos relacionados

Ciro Pirondi sobre a revitalização do centro de São Paulo

O arquiteto Ciro Pirondi faz uma crítica sobre a política de revitalização do centro da cidade de São Paulo. Enumera pontos de solução, como a verticalização e ocupação dos espaços centrais pelas populações periféricas, que não acontecem por falta de

Prédio tombado da IAB/SP recebe prêmio internacional

O prédio sede da IAB/SP recebeu a medalha de prata no “Domus International Award for Restoration and Preservation”

A soma será melhor por Sérgio Magalhães

A nova cidade precisará se somar à cidade existente ficando onde está. Ao invés de dispersar as construções, concentrar e manter a população.

Um comentário

Escreva um comentário
  1. Walter Gustavo Linzmayer
    Walter Gustavo Linzmayer 14 setembro, 2014, 02:39

    Mestre da arquitetura e urbanismo brasileiros!

    Responda este comentário

Escreva um comentário

Seu e-mail nâo será publicado.
Campos obrigatórios estão marcados*