Al Jazeera: Arquitetura Rebelde

Al Jazeera: Arquitetura Rebelde

Em agosto deste ano a rede de TV Al Jazeera lançou uma série de seis reportagens chamada Arquitetura Rebelde (Rebel Architecture, tradução livre). O objetivo é mostrar alguns arquitetos que usam sua profissão como forma de resistência e questionamento.

Os seis documentários têm como personagem principal um arquiteto que escolheu submeter seus projetos a um olhar humano ao invés de projetar para elites. Eles são do Brasil, Vietnã, Nigéria, Palestina, Espanha e Paquistão. Expõem questões de problemas urbanos, ambientais e até mesmo de guerras.

No episódio brasileiro, Ricardo de Oliveira nem mesmo é formado em arquitetura, mas conhece intimamente a vida de quem mora na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro. Eyal Weizman é israelense e pesquisador do grupo Arquitetura Forense (Forensics Architecture, em tradução livre) e busca expor o uso da arquitetura como arma de guerra na ocupação da Cisjordânia. O vietnamita Vo Trong Nghia dedica seu trabalho a criar edifícios que respeitam na natureza em comunidades pobres de seu país. Kunlé Adeyemi, diante das constantes inundações nas favelas da Nigéria, mostra sua tentativa de implantar construções flutuantes. A primeira arquiteta do Paquistão, Yasmeen Lari, é especialista em abrigos emergenciais, para uma região que sofre terremotos constantes.

 

 

 


Tags:
al jazeera

Artigos relacionados

Arquitetura Social de Vilanova Artigas

João Batista Vilanova Artigas foi um dos mais importantes arquitetos de São Paulo. Em sua carreira, tanto em projetos como acadêmica, praticou a arquitetura social. Entenda este conjunto de conceitos com este vídeo.

Lucio Costa: “Registros de uma vivência”

A obra autobiográfica, que apresenta a trajetória profissional e o pensamento de um dos maiores arquitetos e urbanistas brasileiros, será relançada pela Editora 34. O lançamento acontecerá no dia 7 de novembro, às 19h, na livraria da Travessa de Ipanema,

Arquiteturas: Mercado Central de Belo Horizonte

Como equilibrar a preservação daa tradição e ao mesmo tempo sobreviver à concorrência imposta pelo tempo?

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta