Al Jazeera: Arquitetura Rebelde

Al Jazeera: Arquitetura Rebelde

Em agosto deste ano a rede de TV Al Jazeera lançou uma série de seis reportagens chamada Arquitetura Rebelde (Rebel Architecture, tradução livre). O objetivo é mostrar alguns arquitetos que usam sua profissão como forma de resistência e questionamento.

Os seis documentários têm como personagem principal um arquiteto que escolheu submeter seus projetos a um olhar humano ao invés de projetar para elites. Eles são do Brasil, Vietnã, Nigéria, Palestina, Espanha e Paquistão. Expõem questões de problemas urbanos, ambientais e até mesmo de guerras.

No episódio brasileiro, Ricardo de Oliveira nem mesmo é formado em arquitetura, mas conhece intimamente a vida de quem mora na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro. Eyal Weizman é israelense e pesquisador do grupo Arquitetura Forense (Forensics Architecture, em tradução livre) e busca expor o uso da arquitetura como arma de guerra na ocupação da Cisjordânia. O vietnamita Vo Trong Nghia dedica seu trabalho a criar edifícios que respeitam na natureza em comunidades pobres de seu país. Kunlé Adeyemi, diante das constantes inundações nas favelas da Nigéria, mostra sua tentativa de implantar construções flutuantes. A primeira arquiteta do Paquistão, Yasmeen Lari, é especialista em abrigos emergenciais, para uma região que sofre terremotos constantes.

 

 

 


Tags:
al jazeera

Artigos relacionados

Resultado das eleições do Conselho de Arquitetura do Brasil

Mais de 97 mil arquitetos participaram da escolha dos novos conselheiros.

Exposição permite que visitante “coma” Brasília

Uma Brasília mais “doce” poderá ser devorada neste sábado, a partir das 11 horas da manhã.

Eduardo Longo: A Casa Bola

Eduardo Longo nos introduz em sua Casa Bola, projeto do início dos anos 1970. Uma maquete provisória que se solidifica. Resultado de seu estudo para a criação de um apartamento de luxo compacto, de montagem em série e em escala

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Seu e-mail nâo será publicado.
Campos obrigatórios estão marcados*