Anunciados os vencedores do 5º Prêmio de Arquitetura Instituto Tomie Ohtake Akzonobel

Anunciados os vencedores do 5º Prêmio de Arquitetura Instituto Tomie Ohtake Akzonobel

A exposição com as obras vencedoras fica aberta até o dia 23 de setembro. Os 13 projetos finalistas – selecionados entre os 244 inscritos, provenientes de 17 Estados brasileiros e Distrito Federal – fazem parte da exposição no Instituto Tomie Ohtake.

 

Conheça os premiados:

Hors concours

Sesc 24 de Maio (São Paulo – SP)

Arquitetura: Paulo Mendes da Rocha + MMBB Arquitetos / Paulo Mendes da Rocha, Marta Moreira, Milton Braga e Fernando de Mello Franco

Foto: Romullo Fontenelle

 

1º Lugar

Parque Novo Santo Amaro V (São Paulo – SP)

Arquitetura: Vigliecca & Associados / Héctor Vigliecca, Luciene Quel, Neli Shimizu e Ronald Werner Fiedler

Foto: Instituto Tomie Ohtake

 

2º Lugar

Hostel Villa 25 (Rio de Janeiro- RJ)

Arquitetura: C+P Arquitetura / Rodrigo Calvino e Diego Portas

Foto: Instituto Tomie Ohtake

 

3º Lugar

Casa no Cerrado (Moeda – MG)

Arquitetura: Vazio S/A / Carlos M. Teixeira

Foto: Instituto Tomie Ohtake

 

Menção Honrosa – Sustentabilidade

Vila Taguaí (Carapicuíba, SP)

Arquitetura: Cristina Xavier Arquitetura / Cristina Xavier

 

Menção Honrosa – Cor

Residência em Gonçalves (Gonçalves – MG)

Arquitetura: André Vainer Arquitetos / André Vainer

 

A seleção foi feita por um júri formado pelos arquitetos Adriana Benguela, Fábio Mariz Gonçalves, José Lira, Marcos Boldarini e Priscyla Gomes. Em 2018, registrou-se um aumento de 31,18% no volume de inscrições em relação à edição anterior. Entre os finalistas há obras localizadas em São Paulo, Minas Gerais, Pernambuco, Distrito Federal, Bahia e Rio Janeiro.

Fonte: Instituto Tomie Ohtake

 



Artigos relacionados

São Luís completa 20 anos como cidade Patrimônio da Humanidade

Conjunto arquitetônico composto por mais de mil casarões seculares, celebra os 20 anos do título de concedido pela UNESCO em 6 de dezembro de 1997.   São Luís celebra nesta quarta-feira (6), os 20 anos do título de Patrimônio Mundial

Arquitetos do DF criam monumentos públicos e viram referência nacional

O Plano Piloto nasceu de um edital público e os profissionais da cidade estão levando essa tradição e conhecimento para o resto do país   Brasília nasceu de um concurso de urbanismo e arquitetura. No fim da década de 1950,

Os jardins verticais e a compensação ambiental

A Justiça negou o pedido do Ministério Público de liminar que impede o município de São Paulo de tratar os jardins verticais como uma compensação ambiental do desmatamento causado pelos novos empreendimentos. De acordo com o promotor de Justiça Marcos

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta