Arquitetos brasileiros ganham menção honrosa em concurso internacional, em Nova York

Nova Iorque pode ser definida como a cidade símbolo do progresso profissional, dos sonhos, das ambições e inovações. Apesar disso, a cidade que é o oposto da monotonia, ainda lida com a existência de espaços de trabalho repetitivos e maçantes em grande parte de suas edificações. A partir disso, surge o questionamento: estaria a arquitetura em descompasso com a imagem da cidade?  Como lidar com essa contradição?

O concurso “New York Vertical City Pro” organizado pelo Archmedium tinha como objetivo a elaboração de uma nova torre de uso misto em Nova Iorque, que deveria contar com escritórios, moradias temporárias, espaços culturais e de lazer. Os arquitetos deveriam solucionar uma pequena “cidade vertical” do século XXI.

A segregação tradicional dos programas acaba por se tornar questionável dentro de uma realidade em que a monotonia e a repetição colaboram para uma data de validade cada vez mais curta. Hotéis, espaços culturais e de lazer, comércio, trabalho: programas que historicamente coexistem em prédios de uso misto resultando frequentemente no “empilhamento” de zonas programáticas ou até mesmo em sua separação através de volumetrias distintas. Seria esse o máximo que essa tipologia tem a oferecer? O uso misto ganha uma nova escala.

Os programas são fragmentados e intercalados por toda a edificação. O meio virtual é responsável pela conexão e pelo funcionamento coeso dos diversos fragmentos de programa dispersos ao longo dos andares da edificação e também da cidade. A tecnologia nos informa a localização e disponibilidade de cada um dos recursos que compõem o projeto.

 

Arquitetos

Carol Vasques, Diego Saraiva, Pedro Dal Molin

 

Localização

New York, NY, Estados Unidos

 

Ano do projeto

2018

 

Texto original: Archdaily


Artigos relacionados

UIA2020RIO: Roberto Simon

Com o tema Todos os Mundos. Um só mundo. Uo maior e mais importante de arquitetura, o Congresso Mundial da União Internacional dos Arquitetos chega a sua 27ª edição. O evento, que será realizado no Rio de Janeiro, em 2020,

São Paulo deve ganhar roda gigante feita por arquitetos da London Eye

A proposta é que a roda gigante paulista tenha cerca de 150 metros de altura e conte com 32 cabines – cada uma com capacidade para 32 pessoas. De acordo com informações publicadas na Coluna da jornalista Mônica Bergamo, o

Morre arquiteto e urbanista Paulo Casé, aos 87 anos

Paulo Casé faleceu na segunda-feira, 27 de agosto. Há cerca de um mês, o arquiteto e urbanista estava internado, após sofrer um AVC. Casé deixa quatro filhos, cinco netos e esposa. O velório será amanhã, a partir de 12h, no

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta