Arquiteturas: Mercado Central de Belo Horizonte

Arquiteturas: Mercado Central de Belo Horizonte

O Mercado Central é o espaço público tradicional mais rico e plural de Belo Horizonte. Além do seu valor cultural e afetivo para a população da cidade, há duas razões para seu sucesso: qualidade dos produtos e segurança. O mercado abriu em 1929, mas em 1964 a prefeitura não pode mais mantê-lo. Os comerciantes se organizaram em uma cooperativa e compraram o mercado. Ao contrário de outros mercados brasileiros, o de Belo Horizonte manteve sua função de abastecimento.

Como ele conseguiu equilibrar a preservação de sua tradição e ao mesmo tempo sobreviver à concorrência imposta pelo tempo? Descubra neste episódio da série Arquiteturas, do SescTV.



Artigos relacionados

Rosa Artigas: Entre a preservação do patrimônio urbano e o IPTU da cidade de São Paulo

Artigo da historiadora Rosa Artigas sobre a difícil situação de preservar as obras do pai e pagar altos impostos à Prefeitura.

Porta para a gente “diferenciada” por Plínio Bortolotti

EM EDIFÍCIO DE NOVA YORK RICOS E DESPOSSUÍDOS viverão juntos, porém separados; prédio de luxo terá um “portão dos pobres”.

Seis desafios para mudar as cidades por Raquel Rolnik

Desafios das metrópoles brasileiras que precisam de enfrentamento amplo.

Um comentário

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta