Grandes metrópoles, um território desafiador para arquitetos e urbanistas

Grandes metrópoles, um território desafiador para arquitetos e urbanistas

A metropolização da vida humana é um processo irreversível. Apesar de todos os problemas, as grandes cidades continuam a atrair gente, negócios, talentos e novas construções. Muitas delas já deixaram de crescer vertiginosamente, mas não sem antes alcançarem a casa dos milhões de habitantes – e de colecionarem problemas de mobilidade, poluição do ar, saneamento, falta de áreas verdes e de espaços de lazer e gritantes desigualdades.

Como atuar nesses territórios? Uma pergunta com muitas respostas, como mostram os depoimentos dos arquitetos e urbanistas ouvidos por Paulo Markun para o Portal Arquitetura e Urbanismo para Todos do CAU/BR.

  • São Paulo é a maior cidade do Hemisfério Sul.
    Centro_SP2
  • Em segundo lugar, vem Jacarta, na Indonésia, com 9.588.198 habitantes.
    Jakarta

As outras megacidades ficam no Hemisfério Norte.


Artigos relacionados

Avenida Paulista é considerada pólo cultural em são Paulo

Ao longos dos 126 anos de existência foram construídas casas, escritórios, lojas, parques, restaurantes, estações de metrô, ciclovias, centros de serviço e comércio, etc. Hoje, a Avenida Paulista, localizada no centro da capital paulista, atingiu a categoria de polo cultural.

A região metropolitana do Rio de Janeiro

A região metropolitana do Rio de Janeiro é composta por 17 municípios: Rio de Janeiro, Belford Roxo, Duque de Caxias, Guapimirim, Itaboraí, Japeri, Magé, Nilópolis, Niterói, Nova Iguaçu, Paracambi, Queimados, São Gonçalo, São João de Meriti, Seropédica, Mesquita e Tanguá,.

Arquiteturas: Minhocão

episódio de estreia da série do SescTV

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta