Grandes metrópoles, um território desafiador para arquitetos e urbanistas

Grandes metrópoles, um território desafiador para arquitetos e urbanistas

A metropolização da vida humana é um processo irreversível. Apesar de todos os problemas, as grandes cidades continuam a atrair gente, negócios, talentos e novas construções. Muitas delas já deixaram de crescer vertiginosamente, mas não sem antes alcançarem a casa dos milhões de habitantes – e de colecionarem problemas de mobilidade, poluição do ar, saneamento, falta de áreas verdes e de espaços de lazer e gritantes desigualdades.

Como atuar nesses territórios? Uma pergunta com muitas respostas, como mostram os depoimentos dos arquitetos e urbanistas ouvidos por Paulo Markun para o Portal Arquitetura e Urbanismo para Todos do CAU/BR.

  • São Paulo é a maior cidade do Hemisfério Sul.
    Centro_SP2
  • Em segundo lugar, vem Jacarta, na Indonésia, com 9.588.198 habitantes.
    Jakarta

As outras megacidades ficam no Hemisfério Norte.


Artigos relacionados

São Paulo e Rio – potencial para serem cidades globais

Nova York, Londres, Paris, Tóquio e Hong Kong lideram o ranking da A. T. Kearney, uma consultoria internacional, como as cidades mais globais do planeta. Antes da atual crise argentina, Buenos Aires entrou na lista dos 20 lugares que mais

Primeira edição do Arq21 debate assuntos ligados à metrópoles contemporâneas

Inicia nesta quarta-feira, dia 24 de fevereiro, o circuito de seminários do projeto Arq21, realizado pelo IAB.

Avenida Paulista é considerada pólo cultural em são Paulo

Ao longos dos 126 anos de existência foram construídas casas, escritórios, lojas, parques, restaurantes, estações de metrô, ciclovias, centros de serviço e comércio, etc. Hoje, a Avenida Paulista, localizada no centro da capital paulista, atingiu a categoria de polo cultural.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta