Attílio Corrêa Lima

Attílio Corrêa Lima

Nascido em Roma, em 1901, Atttílio Corrêa Lima ingressou como aluno livre nos cursos de escultura, pintura, gravura e arquitetura da Escola Nacional de Belas Artes (Enba), no Rio de Janeiro, aos 18 anos. No ano seguinte, matricula-se como aluno regular do curso de Arquitetura, diplomando-se em 1925. Ganhou a medalha de ouro e o prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Belas Artes (SNBA) de 1926, e foi para Paris no início de 1927. Nesse mesmo ano ingressou no Instituto de Urbanismo da Universidade de Paris, formando-se em 1930. De volta ao Rio de Janeiro, em 1931, assume a direção da cadeira de urbanismo, criada na modernização do ensino da Enba, no ano anterior.
Dois anos mais tarde, foi convidado pelo interventor federal de Goiás, Pedro Ludovico Teixeira, para fazer o Plano Urbanístico da Nova Capital do Estado, Goiânia. Mas não concluiu o trabalho: em 1935, abandonou o plano, quando concluiu que a empreiteira responsável, estava comprometida com interesses especulativos.
Além do projeto de Goiânia, Attílio desenvolveu no Rio de Janeiro o Plano Regional de Urbanização do Vale do Paraíba, o Plano da Cidade Operária de Volta Redonda, em 1941 e o Plano da Cidade Operária da Fábrica Nacional de Motores, em 1943, inacabado por sua morte prematura em 1941. Em São Paulo, fez os projetos para os conjuntos residenciais da Várzea do Carmo e de Heliópolis.


Artigos relacionados

Projeto notabiliza trabalhos pioneiros de mulheres na arquitetura

O projeto do IAWA, em parceria com a LALI, prevê uma conservação do legado feminino na arquitetura latino-americana.

Arquiteturas: Galeria Metrópole

Exemplo de arquitetura moderna da década de 60, a Galeria Metrópole volta aos tempos de glória com a retomada da valorização do centro de São Paulo

Affonso Eduardo Reidy

Affonso Eduardo Reidy nasceu em Paris, em 1909, mas fez sua carreira no Rio de Janeiro, onde faleceu, em 1964. Antes mesmo de formar-se na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), em 1930, foi estagiário do urbanista francês Donat Alfred

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Seu e-mail nâo será publicado.
Campos obrigatórios estão marcados*