Attílio Corrêa Lima

Attílio Corrêa Lima

Nascido em Roma, em 1901, Atttílio Corrêa Lima ingressou como aluno livre nos cursos de escultura, pintura, gravura e arquitetura da Escola Nacional de Belas Artes (Enba), no Rio de Janeiro, aos 18 anos. No ano seguinte, matricula-se como aluno regular do curso de Arquitetura, diplomando-se em 1925. Ganhou a medalha de ouro e o prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Belas Artes (SNBA) de 1926, e foi para Paris no início de 1927. Nesse mesmo ano ingressou no Instituto de Urbanismo da Universidade de Paris, formando-se em 1930. De volta ao Rio de Janeiro, em 1931, assume a direção da cadeira de urbanismo, criada na modernização do ensino da Enba, no ano anterior.
Dois anos mais tarde, foi convidado pelo interventor federal de Goiás, Pedro Ludovico Teixeira, para fazer o Plano Urbanístico da Nova Capital do Estado, Goiânia. Mas não concluiu o trabalho: em 1935, abandonou o plano, quando concluiu que a empreiteira responsável, estava comprometida com interesses especulativos.
Além do projeto de Goiânia, Attílio desenvolveu no Rio de Janeiro o Plano Regional de Urbanização do Vale do Paraíba, o Plano da Cidade Operária de Volta Redonda, em 1941 e o Plano da Cidade Operária da Fábrica Nacional de Motores, em 1943, inacabado por sua morte prematura em 1941. Em São Paulo, fez os projetos para os conjuntos residenciais da Várzea do Carmo e de Heliópolis.


Artigos relacionados

Documentário sobre Paulo Mendes da Rocha integra 41ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo

“Tudo É Projeto” discorre a vida, as obras e trajetórias de um dos arquitetos mais renomados da atualidade, Paulo Mendes da Rocha. Depois da exibição em Portugal e no Festival do Rio, no início de outubro, o documentário estreará em

Lei Rouanet passará a valer para projetos de arquitetura e urbanismo

O projeto foi oficializado em fevereiro de 2016 e aguarda regulamentação

Livro Lina Bo Bardi é lançado em São Paulo

O livro traz um panorama da obra e do pensamento de Lina através de textos, desenhos e fotografias. “A obra de Lina é referência obrigatória para aqueles que veem na arquitetura a possibilidade de lutar por um mundo mais justo

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta