Balkrishna Doshi vence o Prêmio Pritzker 2018

Balkrishna Doshi vence o Prêmio Pritzker 2018

O júri do Pritzkter deste ano escolheu o arquiteto indiano Balkrishna Doshi, conhecido como B.V. Doshi ou Doshi, como vencedor do Prêmio Pritzker 2018. Estudante e colaborador de Le Corbusier e Louis Kahn e em atividade há mais de 70 anos, a arquitetura poética de Doshi se baseia em influências das culturas orientais, resultando em uma obra que “tocou vidas de todas as classes socioeconômicas em um amplo espectro de programas desde a década de 1950 “, disse o júri. Doshi é o primeiro arquiteto indiano a receber a maior honra da arquitetura.

Nascido em Pune, na Índia, em 1927, Doshi iniciou seus estudos de arquitetura no ano da independência de seu país, 1947. Depois de um período em Londres, mudou-se para a França para trabalhar com Le Corbusier e, porteriormente, voltou para a Índia para supervisionar o trabalho de Le Corbusier em Chandigarh e Ahmedabad, como o Edifício da Associação de Proprietários de Moinhos (1954) e a Casa Shodhan (1956). Doshi também trabalhou com Louis Kahn no Instituto Indiano de Gestão em Ahmedabad, que teve início em 1962.

Desde a fundação de seu escritório Vastushilpa (agora conhecida como Vastushilpa Consultants) em 1956, Doshi combinou as lições aprendidas com os dois mestres modernos com uma sensibilidade local. Sua forma caracteristicamente indiana de regionalismo crítico sintetiza as formas esculturais de concreto e tijolo de seus mentores com ideias arquitetônicas e morfologias urbanas reconhecidamente indianas. Uma das manifestações mais claras deste estilo talvez seja seu próprio estúdio, conhecido como Sangath, onde abóbadas de concreto são combinadas com jardins, espaços coletivos e elementos aquáticos para reduzir a sensação de calor. Em 1978, a Doshi fundou a Fundação Vastushilpa para Estudos e Pesquisa em Projeto Ambiental para desenvolver abordagens de planejamento e projeto adequadas ao contexto cultural indiano; hoje, a fundação serve como um elo crucial entre a academia e a prática arquitetônica.

Em mais de 100 projetos concluídos durante sua carreira, Doshi também trabalhou em vários empreendimentos habitacionais de baixo custo. Após concluir seu primeiro projeto desse tipo na década de 1950, disse: “parece que eu deveria fazer um juramento e lembrá-lo por toda a minha vida: proporcionar à classe mais baixa habitações adequadas.” O ponto alto desse juramento talvez tenha sido o desenvolvimento da Habitação de Baixa Renda Aranya em Indore. Concluída em 1989, esta rede de casas, pátios e percursos internos oferece habitação para mais de 80.000 pessoas de baixa e média renda, e rendeu a Doshi o Prêmio Aga Khan de Arquitetura de 1993-1995.

 

Via Archdaily.



Artigos relacionados

Rio de Janeiro é consagrado pela UNESCO como a primeira capital mundial da arquitetura

O título foi concedido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) na manhã da sexta, 18 de janeiro, em cerimônia realizada na sede da entidade em Paris e é decorrente da realização do

Obras de Niemeyer e Eero Saarinen recebem fundo internacional da Getty Foundation para preservação

Como parte de sua iniciativa Keeping It Modern, a Getty Foundation anunciou o investimento de US$ 1,7 milhão em um fundo de conservação que será repassado a onze edifícios icônicos do século XX. Incluindo projetos de abrangência local e internacional,

Estudantes brasileiros vencem Prêmio global da Schindler

A premiação, que aconteceu no dia 25 de abril, no Monte Líbano, em São Paulo, teve como tema soluções de arquitetura e design urbano para a área do Ceagesp, de 700 mil metros quadrados. A equipe vencedora, que recebeu um

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta