Produção arquitetônica nas grandes cidades, por Marco Antonio Borsoi

Produção arquitetônica nas grandes cidades, por Marco Antonio Borsoi

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=8Cqv1NUdGqE&w=832&h=h468]
Para o portal Arquitetura e Urbanismo Para Todos do CAU/BR, Paulo Markun entrevistou o arquiteto Marco Antonio Borsoi, ex-presidente do IAB – PE. Carioca de nascimento, Borsoi atua em Pernambuco e vive em Recife. Temas:

00:00 O que é arquitetura?
01:09 O que configura um bom projeto?
02:33 Porque a arquitetura brasileira perdeu a relevância que possuía na década de 1950?
04:14 Bons exemplos: SESC Pompéia e MAM-RJ
05:49 Produção arquitetônica nas grandes cidades



Artigos relacionados

Em São Paulo, parques naturais municipais estão abandonados desde maio

Não há quem vigie os parques naturais municipais de São Paulo desde maio deste ano. A empresa responsável, a Atlântico Sul Vigilância e Segurança EIRELI, abriu falência em abril. Em maio seus funcionários abandonaram os postos na capital e desde então as unidades de conservação da cidade estão sem vigilância.

Índio da Costa: quando entra má arquitetura o projeto encarece

Para o arquiteto Índio da Costa, houve nos anos 50 um terreno fértil para a arquitetura no sentido de que o tempo técnico para o planejamento do projeto era respeitado. Hoje em dia isso não acontece.

Verticalização homogênea, por Dal Pian Arquitetos

Para o portal Arquitetura e Urbanismo Para Todos do CAU/BR, Paulo Markun entrevistou Renato e Lilian Dal Pian, sócios do escritório Dal Pian Arquitetos.

Um comentário

Escreva um comentário
  1. emanuel
    emanuel 17 outubro, 2014, 00:54

    Prezado Marco Antonio,
    Moro em Teresina e sou amigo do seu irmão Eduardo. Na nossa cidade as obras do seu pai Acácio Gil Borsói foram marcantes e se tornaram ícones na paisagem urbana de Teresina. Vi sua entrevista e gostaria de parabenizá-lo, dizendo que concordo quando diz que se aprende muito com o proprietário da obra ao longo da nossa trajetória profissional, desde que recebamos uma contribuição sensata. Entretanto, nem sempre essa relação traz bons frutos quando se faz de forma castradora e prejudica o resultado final da arquitetura proposta.
    É necessário uma boa relação cliente/profissional que respeite as idéias e os desejos de ambos, que não prevaleça somente o pensamento do arquiteto nem tampouco as exigências do proprietário. O importante é que a técnica, a arte, aliada aos desejos do proprietário se transforme em uma boa arquitetura, trazendo satisfação para quem vai habitar o espaço, para a cidade que vai receber o objeto arquitetônico em sua paisagem construída e ao profissional que vai prestar um bom serviço à sociedade.
    Acredito que a arquitetura sempre traduz o pensamento, o modus vivendus das pessoas, assim como o poder econômico, social e político no momento em que é produzida.
    Esteve sempre a serviço do poder, desde as mais remotas épocas, seja o poder religioso, político e econômico. Através dela, se faz a história, se gera riquezas, a exemplo do turismo, mas acima de tudo traz a solução para o planejamento urbano ou regional e a qualidade de vida nos grandes centros onde se vive a grande maioria das populações.
    Esperemos que o avanço tecnológico, o estudo continuado, traga cada vez mais soluções para as mazelas da sociedade moderna.
    Com admiração e cordialidade
    Arq e urb Emanuel Castelo Branco

    Responda este comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: