Arquitetura latina de volta ao MoMA, em Nova Iorque

Arquitetura latina de volta ao MoMA, em Nova Iorque

A arquitetura brasileira voltou ao salão nobre do MoMa, Museu de Arte Moderna de Nova Iorque. A instituição abriu, no dia 29 de março, a exposição Latin America in Construction: Architecture 1955–1980 (em tradução livre “América Latina em Construção: Arquitetura 1955 – 1980″). A mostra faz um panorama sobre as décadas posteriores à revolução trazida pelo modernismo em vários países latinos, entre eles o Brasil.

A exposição dialoga com outra realizada pelo mesmo museu há 60 anos. A emblemática mostra Latin American Architecture since 1945 (“Arquitetura da América Latina desde 1945″, em tradução livre), realizada em 1955, tornou mundialmente conhecido o modernismo brasileiro, com destaque para Oscar Niemeyer. Agora o MoMA revisita o tema e faz um panorama da escola que mudou a forma de pensar as cidades latinas.

Além disso, logo na entrada, o visitante se depara com a contextualização da arquitetura modernista nas três décadas anteriores ao seu auge, numa época de governos populistas, golpes de Estado e economia bastante dependente de produtos primários. Otimista, ela defende Brasília das duras críticas que tem recebido após 54 anos de sua fundação.

Diferentemente da mostra do século 20, a atual traz fotos, croquis, vídeos, maquetes e desenhos, que vão desde a construção da nova capital até obras-primas de países que não haviam sido contemplados anteriormente. Além do modernismo do grupo carioca, também podemos ver obras posteriores, como o Sesc Pompéia de Lina Bo Bardi e o edifício da FAU, de Vilanova Artigas. As utopias do século 20 possuem uma sala própria. Projetos de habitação popular e cidades universitárias são apresentadas como fruto de uma arquitetura criativa, que rompeu com paradigmas do passado como nenhuma outra o fez depois.

Latin America in Construction: Architecture 1955–1980 ficará aberta até 19 de julho, na galeria principal do MoMA. A exposição foi lançada acompanhada de um catálogo e uma obra de antologia.


Artigos relacionados

Discurso de Artigas para os formandos de 1964

Paraninfo da turma de 1964, o arquiteto Vilanova Artigas teve de se exilar devido à ditadura

Filipe Benevides: Arquitetura deve facilitar a vida humana

Estudante de Arquitetura, Filipe Benevides, acha que a Arquitetura deve facilitar a vida humana. Ele cita como exemplo de boa arquitetura a cidade de New Songdo City, na Coréia do Sul, ainda em execução.

Sydnei Menezes: sustentabilidade acima de tudo

Para o arquiteto Sydnei Menezes, presidente do CAU/RJ, a sustentabilidade se expressa nos princípios básicos da iluminação, ventilação e insolação. Menezes aponta como exemplo de boa arquitetura o Palácio Gustavo Capanema, antiga sede do MEC no Rio de Janeiro.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Seu e-mail nâo será publicado.
Campos obrigatórios estão marcados*