O Caminho do Pedregulho por Paula Cesarino Costa

O Caminho do Pedregulho por Paula Cesarino Costa

Texto de Paula Cesarino Costa, jornalista e colunista da Folha de S. Paulo.

RIO DE JANEIRO – Do alto, são como serpentes de concreto em meio ao caos construído sobre as montanhas da cidade. Um em Benfica, na desfavorecida zona norte (“Pedregulho“), e outro na Gávea, na favorecida zona sul (“Minhocão”). Os conjuntos projetados por Affonso Eduardo Reidy (1909-1964) representam o tempo perdido pelo país em política habitacional. Completam-se neste mês 50 anos desde sua morte.

Hoje, 84% dos brasileiros vivem em cidades. Calcula-se que o deficit habitacional seja de 7 milhões.

O Pedregulho tem 328 apartamentos em três blocos, sendo o principal um prédio sinuoso de 270 metros, que acompanha as curvas sinuosas da encosta. Foi construído para abrigar funcionários públicos e recebeu famílias deslocadas de áreas de risco. Deteriorado, passa por cuidadoso trabalho de restauração desde 2010, custeado pelo governo do Estado.

É uma obra-prima, com caráter social. Da concepção dos espaços comuns, dos cobogós que permitem a ventilação, a entrada de luz até as variadas divisões internas e a vista deslumbrante em todos os apartamentos.

Em 1953, o júri da 1ª Bienal de São Paulo considerou o Pedregulho como “um simples exemplo de como toda cidade deveria ser formada”. Não sem alertar: “O júri lamenta que a obra fique isolada, surgindo entre bairros formados anarquicamente”.

Na concepção de Reidy, todo bairro deve ter habitação popular. Morar próximo ao trabalho resolve a questão do transporte. Mas não basta. É preciso ter ao alcance educação, saúde, mercado etc.

A habitação é elemento fundamental na estrutura de uma cidade. Não se enfrenta os ricos interesses privados que a envolvem. “A função habitar não se resume à vida de dentro de casa”, dizia Reidy. Sua obra inspira arquitetos e urbanistas do mundo todo. Aqui, o tema está longe dos palanque. Poucos políticos parecem entender e se sensibilizar.

(O texto foi publicado originalmente na Folha de S. Paulo em 28 de agosto de 2014)



Artigos relacionados

Prefeitura de São Paulo planeja retirar mosaicos portugueses de calçadões

As pedras devem ser substituídas por concreto a partir de janeiro. A justificativa da prefeitura é de que o novo piso facilita a acessibilidade e tem menor custo de manutenção – cerca de 6 vezes mais barato. De acordo com

Instituto Tomie Ohtake promove sessões gratuitas de cinema ao ar livre!

O Cine Fachada acontecerá entre os dias 1 e 3 de setembro, com exibições sempre às 19h30. As sessões fazem parte da programação do 4° Prêmio de Arquitetura Tomie Ohtake AkzoNobel. Os filmes exibidos buscam ampliar o debate sobre a

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta