Candeia Jornalismo: Implicações da desativação do Minhocão – Entrevista com João Whitaker

Candeia Jornalismo: Implicações da desativação do Minhocão – Entrevista com João Whitaker

 

Construído na década de 70 como ‘solução’ para o sistema viário da região, o Elevado Costa e Silva (Minhocão) está com os dias contatos como via de tráfego. O Plano Diretor Estratégico (PDE) do município de São Paulo, sancionado no primeiro semestre pelo prefeito Fernando Haddad, determina a gradual restrição ao transporte individual motorizado na via, deixando a definir pelos paulistanos se a construção será demolida ou transformada em um parque suspenso, como o High Line, de Nova York. Mas qual dessas medidas será mais a proveitosa para a cidade e quais os impactos – negativos e positivos – terão para o trânsito e moradores ao redor?

Para apresentar a história desse dito “monstro arquitetônico” e responder as principais questões que envolvem o assunto, o Candeia Blog entrevistou para o canal DoisP o doutor em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo e professor livre-docente da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP (FAU/USP) João Whitaker. Saiba a seguir sobre os 43 anos de existência desta herança viária da Ditadura Militar e quais medidas são as ideais para sanar os problemas causados pelo Minhocão.

Texto publicado originalmente no site Candeia Blog e no canal DoisP.

 



Artigos relacionados

Irmãos Roberto, o filme

Marcelo, Milton e Maurício são conhecidos no meio arquitetônico como Irmãos Roberto. Eles fazem parte da mesma geração responsável por popularizar o modernismo brasileiro. Os irmãos Roberto foram os responsáveis pelo prédio da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), no centro

Código de Ética e Disciplina do CAU/BR – 2.2.7

A diretriz 2.2.7 do Código de Ética e Disciplina do CAU/BR estabelece os três pilares básicos da boa arquitetura.

Projeto de Tocantins ganha 4º Prêmio de Arquitetura Instituto Tomie Ohtake Akzonobel

Na quinta-feira (10) foram anunciados os três vencedores da quarta edição do Prêmio de Arquitetura Instituto Tomie Ohtake Akzonobel. O projeto Moradas Infantis, de autoria dos tocantinenses Adriana Benguela, Marcelo Rosenbaum, Gustavo Utrabo e Pedro Duschenes ganhou primeiro lugar. O

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta