Candeia Jornalismo: Implicações da desativação do Minhocão – Entrevista com João Whitaker

Candeia Jornalismo: Implicações da desativação do Minhocão – Entrevista com João Whitaker

 

Construído na década de 70 como ‘solução’ para o sistema viário da região, o Elevado Costa e Silva (Minhocão) está com os dias contatos como via de tráfego. O Plano Diretor Estratégico (PDE) do município de São Paulo, sancionado no primeiro semestre pelo prefeito Fernando Haddad, determina a gradual restrição ao transporte individual motorizado na via, deixando a definir pelos paulistanos se a construção será demolida ou transformada em um parque suspenso, como o High Line, de Nova York. Mas qual dessas medidas será mais a proveitosa para a cidade e quais os impactos – negativos e positivos – terão para o trânsito e moradores ao redor?

Para apresentar a história desse dito “monstro arquitetônico” e responder as principais questões que envolvem o assunto, o Candeia Blog entrevistou para o canal DoisP o doutor em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo e professor livre-docente da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP (FAU/USP) João Whitaker. Saiba a seguir sobre os 43 anos de existência desta herança viária da Ditadura Militar e quais medidas são as ideais para sanar os problemas causados pelo Minhocão.

Texto publicado originalmente no site Candeia Blog e no canal DoisP.

 



Artigos relacionados

Edifício Joaquim Nabuco é reaberto

A reinauguração do Edifício Joaquim Nabuco, que ocorrerá nesta terça-feira (17), às 19h, contará com diversas exposições realizadas por alunos, professores e parceiros da Universidade de São Paulo. São elas: Experimento, Encyclopædia, Papyrus Textil, Simplex Machina, Pina in Memoriam e

FAU-USP mantém acervo online da Revista Acrópole (1934-1971)

A revista agora possui todo seu acervo digitalizado, online e gratuito.

Câmara pede urgência para PL que torna crime o exercício ilegal da arquitetura

O projeto de lei 6699/2002, de autoria de José Carlos Coutinho, está parado há 15 anos.   A proposta, que torna crime contra a saúde pública o exercício ilegal das profissões de arquiteto e urbanista, agrônomo, engenheiro, médico, dentista e

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta