Carla Juaçaba projeta capela para o Vaticano na Bienal de Veneza 2018

Carla Juaçaba projeta capela para o Vaticano na Bienal de Veneza 2018

 

A arquiteta brasileira foi convidada a se juntar à seleção de profissionais responsáveis por projetar capelas que irão marcar a primeira participação do Vaticano na Bienal de Veneza de 2018. A 16ª. edição do evento acontece entre os dias 26 de maio a 25 de novembro de 2018. Carla ganhou destaque ao assinar o pavilhão Humanidade 2012 durante o Rio+20, em parceria com Bia Lessa.

Além dela, outros nove arquitetos irão trabalhar na causa. A escolha dos profissionais foi feita por Francesco Dal Co, historiador italiano de arquitetura e curador do pavilhão do Vaticano. São eles: Carla Juaçaba, Brasil; Eduardo Souto de Moura, Portugal; Smiljan Radic, Chile; Javier Corvalán, Paraguai; Eva Prats & Ricardo Flores (Flores & Prats), Espanha; Sean Godsell, Austrália; Norman Foster, Reino Unido; Andrew Berman, Estados Unidos; Teronobu Fujimori, Japão; e Francesco Cellini, da Itália.

As capelas deverão ser projetadas de modo que possam, ao fim da Bienal, ser transportadas a diferentes locais do mundo, de acordo com a demanda por espaços de culto.

A capela projetada pela profissional está integrada entre as águas e as árvores de Veneza, com a vegetação do entorno completando o espaço interior da estrutura. O espaçamento entre as copas das árvores e a visão do céu, funcionam como o teto da capela, em um projeto sensível e poético.

Estruturalmente, são quatro vigas de seção quadrada de 12 por 12 centímetros e com 8 metros de comprimento, que formam o conjunto: uma cruz em pé, e uma cruz deitada. Uma delas é um banco, a outra a cruz. O conjunto é construído sobre dormentes de concreto a cada metro, elevando a capela do chão. Já as vigas são feitas em aço inox polido, transformando-as em espelhos que refletem o entorno: a Capela pode desaparecer num certo momento dependendo dos reflexos do sol e das árvores.


Via Gazeta do Povo



Artigos relacionados

Discurso de Artigas para os formandos de 1964

Paraninfo da turma de 1964, o arquiteto Vilanova Artigas teve de se exilar devido à ditadura

Livro Lina Bo Bardi é lançado em São Paulo

O livro traz um panorama da obra e do pensamento de Lina através de textos, desenhos e fotografias. “A obra de Lina é referência obrigatória para aqueles que veem na arquitetura a possibilidade de lutar por um mundo mais justo

Brasília completa 30 anos como Patrimônio Cultural da Humanidade

Patrimônio Cultural da Humanidade há trinta anos, há quem diga que Brasília seja um tesouro urbanístico desde a concepção, quando ainda era um apenas um projeto de capital idealizado por Lucio Costa. Nesta semana, a cidade comemorou o título que

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta