Carla Juaçaba projeta capela para o Vaticano na Bienal de Veneza 2018

Carla Juaçaba projeta capela para o Vaticano na Bienal de Veneza 2018

 

A arquiteta brasileira foi convidada a se juntar à seleção de profissionais responsáveis por projetar capelas que irão marcar a primeira participação do Vaticano na Bienal de Veneza de 2018. A 16ª. edição do evento acontece entre os dias 26 de maio a 25 de novembro de 2018. Carla ganhou destaque ao assinar o pavilhão Humanidade 2012 durante o Rio+20, em parceria com Bia Lessa.

Além dela, outros nove arquitetos irão trabalhar na causa. A escolha dos profissionais foi feita por Francesco Dal Co, historiador italiano de arquitetura e curador do pavilhão do Vaticano. São eles: Carla Juaçaba, Brasil; Eduardo Souto de Moura, Portugal; Smiljan Radic, Chile; Javier Corvalán, Paraguai; Eva Prats & Ricardo Flores (Flores & Prats), Espanha; Sean Godsell, Austrália; Norman Foster, Reino Unido; Andrew Berman, Estados Unidos; Teronobu Fujimori, Japão; e Francesco Cellini, da Itália.

As capelas deverão ser projetadas de modo que possam, ao fim da Bienal, ser transportadas a diferentes locais do mundo, de acordo com a demanda por espaços de culto.

A capela projetada pela profissional está integrada entre as águas e as árvores de Veneza, com a vegetação do entorno completando o espaço interior da estrutura. O espaçamento entre as copas das árvores e a visão do céu, funcionam como o teto da capela, em um projeto sensível e poético.

Estruturalmente, são quatro vigas de seção quadrada de 12 por 12 centímetros e com 8 metros de comprimento, que formam o conjunto: uma cruz em pé, e uma cruz deitada. Uma delas é um banco, a outra a cruz. O conjunto é construído sobre dormentes de concreto a cada metro, elevando a capela do chão. Já as vigas são feitas em aço inox polido, transformando-as em espelhos que refletem o entorno: a Capela pode desaparecer num certo momento dependendo dos reflexos do sol e das árvores.


Via Gazeta do Povo



Artigos relacionados

ONU promove no Rio fórum mundial de arquitetura e urbanismo

Evento, que acontecerá em outubro, reunirá o japonês Shigeru Ban (vencedor do prêmio Pritzker de 2017), o brasileiro Paulo Mendes da Rocha (Pritzker 2006 e Leão de Ouro em Veneza de 2015), o curador chinês Aric Chen, o espanhol e

Câmara pede urgência para PL que torna crime o exercício ilegal da arquitetura

O projeto de lei 6699/2002, de autoria de José Carlos Coutinho, está parado há 15 anos.   A proposta, que torna crime contra a saúde pública o exercício ilegal das profissões de arquiteto e urbanista, agrônomo, engenheiro, médico, dentista e

Prêmio Pritzker de 2018 será anunciado no começo de março

O Prêmio Pritzker de Arquitetura foi fundado em 1979 por Jay A. Pritzker e sua esposa, Cindy, com o propósito de honrar anualmente um arquiteto vivo, cujo trabalho demonstra uma combinação de qualidades como talento, visão e comprometimento, que tenham

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta