Cobogó

Cobogó

O cobogó é um elemento construtivo constituído de uma parede ou um trecho de uma parede feita em blocos vazados. Ao invés de tijolos utiliza-se cerâmica, cimento ou concreto. Típico da arquitetura pernambucana, o cobogó tem seu nome formado pelas iniciais de seus criadores. Amadeu Oliveira Coimbra (Co), Ernest August Boeckmann (Bo) e Antônio de Góis (Go). Esse elemento já era feito em obras, localmente e de forma improvisada, mas foi a partir de sua patente, em 1929, que ele passa a ser industrializado. Inicialmente, eram feitos com cimento, mas a popularização desse elemento arquitetônico trouxe o uso de outros materiais, como vidro, argila e cerâmica.

O cobogó pode ser colocado em paredes, muros e muros baixos. Em ambientes externos, sua função é de decoração, principalmente em áreas de circulação, como pontes e acessos ou muros de jardins. Já em ambientes internos ele garante ventilação e luminosidade ao cômodo, além do aspecto estético. Hoje o cobogó possui muitos desenhos e formatos. Sua utilização decorativa cria divisórias de ambientes e efeitos interessantes de luz e sombra, principalmente quando interage com a iluminação natural.

O edifício Copan, no centro de São Paulo, possui muitos espaços ventilados com cobogós.


Artigos relacionados

Sacada

Sacadas ou balcões são plataformas salientes na parede de um edifício. De pequena área, podem ser cobertas ou descobertas e cercadas com balaústres, parapeitos ou grades. Observa-se um aumento da importância das sacadas nos últimos anos como espaço de lazer

Concreto armado

O concreto armado abriu novos precedentes para a arquitetura brasileira. A união de resistência à tração e compressão permitiu projetos mais ousados no aspecto formal.

Argamassa armada

A argamassa armada pode ser definida como um micro concreto armado, resultante da associação de argamassa (cimento/areia/água), com uma armadura de aço constituída por fios de pequeno diâmetro e pouco espaçados entre si (telas soldada).

Um comentário

Escreva um comentário
  1. Alcilia Afonso
    Alcilia Afonso 22 junho, 2014, 22:05

    Excelente iniciativa.Divulgarei entre arquitetos,professores, pesquisadores e alunos.

    Responda este comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: