Cobogó

Cobogó

O cobogó é um elemento construtivo constituído de uma parede ou um trecho de uma parede feita em blocos vazados. Ao invés de tijolos utiliza-se cerâmica, cimento ou concreto. Típico da arquitetura pernambucana, o cobogó tem seu nome formado pelas iniciais de seus criadores. Amadeu Oliveira Coimbra (Co), Ernest August Boeckmann (Bo) e Antônio de Góis (Go). Esse elemento já era feito em obras, localmente e de forma improvisada, mas foi a partir de sua patente, em 1929, que ele passa a ser industrializado. Inicialmente, eram feitos com cimento, mas a popularização desse elemento arquitetônico trouxe o uso de outros materiais, como vidro, argila e cerâmica.

O cobogó pode ser colocado em paredes, muros e muros baixos. Em ambientes externos, sua função é de decoração, principalmente em áreas de circulação, como pontes e acessos ou muros de jardins. Já em ambientes internos ele garante ventilação e luminosidade ao cômodo, além do aspecto estético. Hoje o cobogó possui muitos desenhos e formatos. Sua utilização decorativa cria divisórias de ambientes e efeitos interessantes de luz e sombra, principalmente quando interage com a iluminação natural.

O edifício Copan, no centro de São Paulo, possui muitos espaços ventilados com cobogós.


Artigos relacionados

Alpendre

Alpendre é uma cobertura sobre portas, geralmente as de entrada. Pode ser uma extensão do telhado, ou ter sua própria cobertura independente, porém semelhante ao telhado.

Pilotis

Típicos da arquitetura modernista brasileira, os pilotis foram essenciais para a aplicação dos valores dessa escola. Uma marca dessa escola é o vão livre no térreo, o qual não seria possível sem a sustentação dos edifícios através de pilotis.

Fissuração

Fissuração é o nome dado às pequenas rupturas que aparecem no concreto  e que podem ser provocadas por atuação de cargas ou por retração, devido à rápida evaporação da água.   Relacionado

Um comentário

Escreva um comentário
  1. Alcilia Afonso
    Alcilia Afonso 22 junho, 2014, 22:05

    Excelente iniciativa.Divulgarei entre arquitetos,professores, pesquisadores e alunos.

    Responda este comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: