Edifícios icônicos ganham vida na mão de ilustrador

Edifícios icônicos ganham vida na mão de ilustrador

Quão louco seria ver alguns dos edifícios mais conhecidos do mundo ganhando vida e andando por ai? Pois para o ilustrador Michael William Lester isso não soou nem um pouco estranho.

Nascido em uma pequena cidade do leste da Inglaterra, o designer decidiu olhar para a arquitetura com outros olhos e fez suas convicções sobre a profissão se tornarem ainda mais reais na série “Character Building”.

“A boa arquitetura interage com o seu entorno. Isso desprende energia e gera tanta vida que o edifício vive e respira”, afirma Lester, em uma breve explicação sobre a proposta, que de forma divertida – com GIF’S – coloca as obras em uma outra perspectiva.

E entre tantas obras famosas, uma brasileira não escapou aos olhos do ilustrador!

“O aeroporto de Brasília foi atualizado com um braço a mais para a Copa do Mundo de 2014″, descreve Michael na animação do Aeroporto Internacional de Brasilia Juscelino Kubistchek (o primeiro da quinta coluna da esquerda para direita).

Para descobrir o nome dos outros edifícios ou suas descrição é só acessar o site do artista.

EDIFÍCIOS ICÔNICOS


Tags:
Brasília

Artigos relacionados

Jorge Wilheim no Roda Viva

  Nascido em Trieste, na Itália, em 1928, descendente de húngaros, Jorge Wilheim migrou para o Brasil aos 22 anos. Formou-se pela Universidade Presbiteriana Mackenzie em São Paulo. Entre seus primeiros projetos estão Parque Anhembi, o Hospital Albert Einstein e

Cêça Guimaraens: bom projeto representa seu tempo

Ceça Guimaraens, arquiteta (FAU/UnB), doutora em Planejamento Urbano e Regional (IPPUR/UFRJ) e em Museologia (ULHT/Portugal), vice-presidente do IAB acha que um bom projeto de arquitetura representa seu tempo. E menciona vários exemplos.

Verticalização e Plano Diretor por Raquel Rolnik

Texto por Raquel Rolnik Fotografia por Cristiane Nascimento Um tema importante que normalmente polariza as discussões sobre o Plano Diretor é a verticalização da cidade. Mas o que o debate tem de apaixonado tem também de simplificado, e a discussão termina

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Seu e-mail nâo será publicado.
Campos obrigatórios estão marcados*