Estatuto da Cidade

Estatuto da Cidade
Foto do acervo Imagens USP

O Estatuto da Cidade, definido pela lei federal 10.257, de 10 de julho de 2001 estabelece premissas importantes para a gestão urbana:

  1. Em todas as decisões tomadas para o futuro da cidade, o interesse do coletivo deverá prevalecer em relação aos interesses individuais ou de um grupo;
  2. Em todas as fases do planejamento e da gestão da cidade, é importante garantir a participação da sociedade e atribuir a ela o papel de decidir sobre o futuro da cidade e da função social urbana, pois cada indivíduo deve ser responsável pela melhoria da cidade; e,
  3. As decisões pertinentes ao desenvolvimento dos municípios devem ser cuidadosamente planejadas e discutidas com a sociedade e tem valor legal o que está aprovado no Plano Diretor.
O Estatuto exige também o gerenciamento adequado do ordenamento territorial do município, visando o desenvolvimento sustentável cultural, social, político, econômico, ambiental e institucional, buscando preservar o direito à cidade para as gerações atuais e para as futuras também.
Poder Público e sociedade tornam-se parceiros na gestão urbana.
Para o Estatuto da Cidade, o transporte urbano é um serviço público necessário para a boa utilização da cidade e de suas ofertas.
Suas diretrizes devem priorizar o deslocamento das pessoas e não dos veículos. Desta forma, a mobilidade passa a ser prioridade e não mera conseqüência. Isso leva a:
  • Menos viagens motorizadas;
  • Repensar o desenho urbano;
  • Repensar a circulação de veículos;
  • Desenvolver os meios não motorizados de transporte;
  • Reconhecer a importância do deslocamento dos pedestres;

Artigos relacionados

Plano Piloto de Brasília

A nova capital foi projetada com um modelo urbanístico inovador. Seu plano piloto adota os preceitos da famosa Carta de Atenas, de 1933. O documento redigido pelo arquiteto franco-suíço Le Corbusier propunha um zoneamento seletivo, com uma divisão de áreas segundo quatro funções: habitar, trabalhar, circular e recrear.

São Paulo e Rio – potencial para serem cidades globais

Nova York, Londres, Paris, Tóquio e Hong Kong lideram o ranking da A. T. Kearney, uma consultoria internacional, como as cidades mais globais do planeta. Antes da atual crise argentina, Buenos Aires entrou na lista dos 20 lugares que mais

Hidroanel de São Paulo, um outro rumo para a cidade

O projeto do Hidroanel de São Paulo, previsto para 2040, pode mudar radicalmente a dinâmica da cidade e a relação dos cidadãos com os rios.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta