A primeira atividade humana, por Gustavo Penna

A primeira atividade humana, por Gustavo Penna

Um dos arquitetos mais importantes do pós-modernismo brasileiro, Gustavo Penna, nasceu em 1950, em Belo Horizonte e se formou em arquitetura pela Universidade Federal de Minas Gerais em 1973. No mesmo ano criou seu escritório, onde trabalha até hoje. Teve grande contato com o movimento modernista por ser morador da Pampulha, onde conviveu desde cedo com os traços curvos da arquitetura de Oscar Niemeyer. Além disso, seu pai, engenheiro, fez alguns edifícios durante a construção de Brasília.

Gustavo Penna explica, em entrevista para Paulo Markun do portal Arquitetura para Todos do CAU/BR, por que considera a arquitetura a primeira atividade humana e fala quais as características que um projeto precisa manifestar para resultar em um boa obra para a cidade em seu entorno:



Artigos relacionados

Bruno Ferraz e dois bons exemplos

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=btvvgnr2t5c&w=832&h=h468] O arquiteto Bruno Ferraz, de Recife, sócio do escritório B’Ferraz Arquitetura destaca dois bons exemplos: os hospitais da Rede Sarah, projetos de João Filgueiras Lima, o Lelé e o edifício Acaiaca, de Recife, construído em 1958 pelo arquiteto Delfim

Índio da Costa: quando entra má arquitetura o projeto encarece

Para o arquiteto Índio da Costa, houve nos anos 50 um terreno fértil para a arquitetura no sentido de que o tempo técnico para o planejamento do projeto era respeitado. Hoje em dia isso não acontece.

Gustavo Penna: o modernismo se desgastou

Em um bate-papo para o portal Arquitetura para Todos do CAU/BR, Gustavo Penna responde a Paulo Markun por que considera a arquitetura modernista dos anos 60 um estilo importante, porém já desgastado.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta