Índio da Costa: a culpa é dos arquitetos

Índio da Costa: a culpa é dos arquitetos

 

Para Índio da Costa, a arquitetura é melhor definida não por um arquiteto, mas por um filósofo, o alemão Arthur Schopenhauer diz que a “arquitetura é música congelada”. Além disso há uma parcela de culpa dos arquitetos no processo que afastou a arquitetura da população após o modernismo, porém, “isso pode ser recuperado”, afirma.

O arquiteto Índio da Costa foi entrevistado por Paulo Markun para o Portal Arquitetura e Urbanismo para Todos, do CAU/BR.



Artigos relacionados

Música não é só bossa nova e arquitetura não é só moderna, diz Sylvio de Podestá

O arquiteto mineiro Sylvio de Podestá critica o dogmatismo da arquitetura moderna brasileira e diz que como na música não se pode reduzir tudo à bossa nova, na arquitetura, é preciso enfrentar o desafio dos grandes centros e conversar com

O futuro da arquitetura, por Alvaro Puntoni

Entrevistado pelo portal Arquitetura para Todos do CAU/BR, Alvaro Puntoni fala a Paulo Markun sobre o futuro da arquitetura e sua interação com a sociedade, a política e a necessidade de repensarmos a ocupação do solo. Puntoni, arquiteto pela FAU-USP,

Índio da Costa: as dificuldades da legislação induzem à mediocridade

Índio da Costa dá um exemplo de sua experiência sobre como um arquiteto pode aprender com seu cliente. Em caso de casas residenciais, o arquiteto funciona como um moderador de expectativas e buscador de soluções para essas ambições.

2 comentários

Escreva um comentário
  1. Lisiane Lima
    Lisiane Lima 13 julho, 2014, 11:41

    Muito boas estas discussões!
    Só engrandecem nossa profissão!

    Responda este comentário
  2. Marilda Chebabi
    Marilda Chebabi 13 julho, 2014, 15:02

    Verifico nova fase áurea para a arquitetura. Trabalhar sobre a sustentabilidade e reciclagem. Com a grande áre ensolarada brasileira, urgem projetos baratos para atransformação da energia solar em eletricidade, urge a criação de sistemas de captação da água de chuva em reservatórios, oreuso e purificação da água de pias, chuveiros, de lavagem de roupas, a invenção de pequenas usinas eólicas para casas ou prédios comerciais ou de apartamentos. O lixo organico para compostagem… Enfim, há muito campo para a criatividade.

    Responda este comentário

Escreva um comentário

Seu e-mail nâo será publicado.
Campos obrigatórios estão marcados*