Índio da Costa: a culpa é dos arquitetos

Índio da Costa: a culpa é dos arquitetos

 

Para Índio da Costa, a arquitetura é melhor definida não por um arquiteto, mas por um filósofo, o alemão Arthur Schopenhauer diz que a “arquitetura é música congelada”. Além disso há uma parcela de culpa dos arquitetos no processo que afastou a arquitetura da população após o modernismo, porém, “isso pode ser recuperado”, afirma.

O arquiteto Índio da Costa foi entrevistado por Paulo Markun para o Portal Arquitetura e Urbanismo para Todos, do CAU/BR.



Artigos relacionados

Música não é só bossa nova e arquitetura não é só moderna, diz Sylvio de Podestá

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=4_c6uYJ0860&w=832&h=h468] O arquiteto mineiro Sylvio de Podestá critica o dogmatismo da arquitetura moderna brasileira e diz que como na música não se pode reduzir tudo à bossa nova, na arquitetura, é preciso enfrentar o desafio dos grandes centros e conversar

Bruno Ferraz e dois bons exemplos

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=btvvgnr2t5c&w=832&h=h468] O arquiteto Bruno Ferraz, de Recife, sócio do escritório B’Ferraz Arquitetura destaca dois bons exemplos: os hospitais da Rede Sarah, projetos de João Filgueiras Lima, o Lelé e o edifício Acaiaca, de Recife, construído em 1958 pelo arquiteto Delfim

Roberto Moita: aspectos locais versus grandes aglomerados urbanos

O arquiteto Roberto Moita dá sua visão sobre a arquitetura e traça um panorama da profissão atualmente, seus novos desafios e possibilidades na sociedade brasileira.

2 comentários

Escreva um comentário
  1. Lisiane Lima
    Lisiane Lima 13 julho, 2014, 11:41

    Muito boas estas discussões!
    Só engrandecem nossa profissão!

    Responda este comentário
  2. Marilda Chebabi
    Marilda Chebabi 13 julho, 2014, 15:02

    Verifico nova fase áurea para a arquitetura. Trabalhar sobre a sustentabilidade e reciclagem. Com a grande áre ensolarada brasileira, urgem projetos baratos para atransformação da energia solar em eletricidade, urge a criação de sistemas de captação da água de chuva em reservatórios, oreuso e purificação da água de pias, chuveiros, de lavagem de roupas, a invenção de pequenas usinas eólicas para casas ou prédios comerciais ou de apartamentos. O lixo organico para compostagem… Enfim, há muito campo para a criatividade.

    Responda este comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: