Índio da Costa: as dificuldades da legislação induzem à mediocridade

Índio da Costa: as dificuldades da legislação induzem à mediocridade

 

Índio da Costa dá um exemplo de sua experiência sobre como um arquiteto pode aprender com seu cliente. Em caso de casas residenciais, o arquiteto funciona como um moderador de expectativas e buscador de soluções para essas ambições. Índio passou a observar mais essa subjetividade quando um amigo lhe disse que a casa que ele projetou nada tinha a ver com as casas que desenhava quando criança.

Para ele a verticalização é um processo inevitável devido à rede de economia nas cidades. Entretanto há fatores, um deles a legislação, imputa ao arquiteto uma mediocridade difícil de quebrar no projeto, levando a verticalizações não orgânicas.

O arquiteto Índio da Costa foi entrevistado por Paulo Markun para o Portal Arquitetura e Urbanismo para Todos, do CAU/BR.



Artigos relacionados

Sylvio de Podestá: não houve anos dourados

Para o portal Arquitetura e Urbanismo Para Todos do CAU/BR, Paulo Markun entrevistou a arquiteto Sylvio de Podestá, um crítico da arquitetura modernista que teve seu apogeu nos anos 50 do século passado.

Índio da Costa: quando entra má arquitetura o projeto encarece

Para o arquiteto Índio da Costa, houve nos anos 50 um terreno fértil para a arquitetura no sentido de que o tempo técnico para o planejamento do projeto era respeitado. Hoje em dia isso não acontece.

Em São Paulo, parques naturais municipais estão abandonados desde maio

Não há quem vigie os parques naturais municipais de São Paulo desde maio deste ano. A empresa responsável, a Atlântico Sul Vigilância e Segurança EIRELI, abriu falência em abril. Em maio seus funcionários abandonaram os postos na capital e desde então as unidades de conservação da cidade estão sem vigilância.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta