Índio da Costa: as dificuldades da legislação induzem à mediocridade

Índio da Costa: as dificuldades da legislação induzem à mediocridade

 

Índio da Costa dá um exemplo de sua experiência sobre como um arquiteto pode aprender com seu cliente. Em caso de casas residenciais, o arquiteto funciona como um moderador de expectativas e buscador de soluções para essas ambições. Índio passou a observar mais essa subjetividade quando um amigo lhe disse que a casa que ele projetou nada tinha a ver com as casas que desenhava quando criança.

Para ele a verticalização é um processo inevitável devido à rede de economia nas cidades. Entretanto há fatores, um deles a legislação, imputa ao arquiteto uma mediocridade difícil de quebrar no projeto, levando a verticalizações não orgânicas.

O arquiteto Índio da Costa foi entrevistado por Paulo Markun para o Portal Arquitetura e Urbanismo para Todos, do CAU/BR.



Artigos relacionados

Sylvio de Podestá: não houve anos dourados

Para o portal Arquitetura e Urbanismo Para Todos do CAU/BR, Paulo Markun entrevistou a arquiteto Sylvio de Podestá, um crítico da arquitetura modernista que teve seu apogeu nos anos 50 do século passado.

A primeira atividade humana, por Gustavo Penna

Um do mais importantes arquitetos mineiros, cuja obra faz parte do pós-modernismo brasileiro. Gustavo Penna teve muito convívio com a arquitetura modernista, mas tornou-se um crítico dela.

Rosa Kliass e a síndrome de Deus

Rosa Kliass paisagista, de 82 anos, nasceu em São Roque e formou-se arquiteta na FAU-USP. Ela é fundadora e ex-presidente da APAB (Associação Brasileira de Arquiteos Paisagistas) fez o projeto paisagístico do Parque da Juventude e a reforma do Vale

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta