Índio da Costa: quando entra má arquitetura o projeto encarece

Índio da Costa: quando entra má arquitetura o projeto encarece

 

Para o arquiteto Índio da Costa, houve nos anos 50 um terreno fértil para a arquitetura no sentido de que o tempo técnico para o planejamento do projeto era respeitado. Hoje em dia isso não acontece em 90% dos projetos que ele recebe em seu escritório, que chegam com um briefing muito raso.

A boa arquitetura, para ele, está representada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no MIS, em São Paulo, em que o próprio Índio trabalha em um projeto.

O arquiteto Índio da Costa foi entrevistado por Paulo Markun para o Portal Arquitetura e Urbanismo para Todos, do CAU/BR.

 

 



Artigos relacionados

O que é um bom projeto, por Rosa Kliass

A paisagista Rosa Kliass, de 82 anos, relembra sua atuação na Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas e explicou o que um projeto precisa ter para ser de seu agrado. Com Paulo Markun, ela também debateu o paisagismo de São Paulo e

Música não é só bossa nova e arquitetura não é só moderna, diz Sylvio de Podestá

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=4_c6uYJ0860&w=832&h=h468] O arquiteto mineiro Sylvio de Podestá critica o dogmatismo da arquitetura moderna brasileira e diz que como na música não se pode reduzir tudo à bossa nova, na arquitetura, é preciso enfrentar o desafio dos grandes centros e conversar

Bruno Ferraz e dois bons exemplos

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=btvvgnr2t5c&w=832&h=h468] O arquiteto Bruno Ferraz, de Recife, sócio do escritório B’Ferraz Arquitetura destaca dois bons exemplos: os hospitais da Rede Sarah, projetos de João Filgueiras Lima, o Lelé e o edifício Acaiaca, de Recife, construído em 1958 pelo arquiteto Delfim

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta