Índio da Costa: quando entra má arquitetura o projeto encarece

Índio da Costa: quando entra má arquitetura o projeto encarece

 

Para o arquiteto Índio da Costa, houve nos anos 50 um terreno fértil para a arquitetura no sentido de que o tempo técnico para o planejamento do projeto era respeitado. Hoje em dia isso não acontece em 90% dos projetos que ele recebe em seu escritório, que chegam com um briefing muito raso.

A boa arquitetura, para ele, está representada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no MIS, em São Paulo, em que o próprio Índio trabalha em um projeto.

O arquiteto Índio da Costa foi entrevistado por Paulo Markun para o Portal Arquitetura e Urbanismo para Todos, do CAU/BR.

 

 



Artigos relacionados

A Arquitetura e a couve, por Alberto Botti

O arquiteto Alberto Botti, do escritório Botti Rubin acha que o governo brasileiro deveria seguir o exemplo da dona de casa, que ao comprar couve, primeiro examina a qualidade, para depois discutir o preço. Em entrevista a Paulo Markun, para o

Verticalização e arquitetura, por Marco Antonio Borsoi

Marco Antonio Borsoi, ex-presidente do IAB – PE e arquiteto atuante na cidade do Recife explica o que o arquiteto pode aprender com o usuário das obras em entrevista feita por Paulo Markun, para o portal Arquitetura e Urbanismo Para

Almir de Oliveira: Habitação Indígena

O arquiteto Almir de Oliveira desfaz o conceito de que todas as casas indígenas são iguais e explica as simbologias que elas assumem para cada etnia dentro de sua cosmologia.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Seu e-mail nâo será publicado.
Campos obrigatórios estão marcados*