Índio da Costa: quando entra má arquitetura o projeto encarece

Índio da Costa: quando entra má arquitetura o projeto encarece

 

Para o arquiteto Índio da Costa, houve nos anos 50 um terreno fértil para a arquitetura no sentido de que o tempo técnico para o planejamento do projeto era respeitado. Hoje em dia isso não acontece em 90% dos projetos que ele recebe em seu escritório, que chegam com um briefing muito raso.

A boa arquitetura, para ele, está representada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no MIS, em São Paulo, em que o próprio Índio trabalha em um projeto.

O arquiteto Índio da Costa foi entrevistado por Paulo Markun para o Portal Arquitetura e Urbanismo para Todos, do CAU/BR.

 

 



Artigos relacionados

Almir de Oliveira: Habitação Indígena

O arquiteto Almir de Oliveira desfaz o conceito de que todas as casas indígenas são iguais e explica as simbologias que elas assumem para cada etnia dentro de sua cosmologia.

O que é um bom projeto, por Rosa Kliass

A paisagista Rosa Kliass, de 82 anos, relembra sua atuação na Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas e explicou o que um projeto precisa ter para ser de seu agrado. Com Paulo Markun, ela também debateu o paisagismo de São Paulo e

Os incríveis anos 50, por Sérgio Parada

Sérgio Parada fala sobre as funções da arquitetura, meio ambiente e humanismo.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta