Índio da Costa: quando entra má arquitetura o projeto encarece

Índio da Costa: quando entra má arquitetura o projeto encarece

 

Para o arquiteto Índio da Costa, houve nos anos 50 um terreno fértil para a arquitetura no sentido de que o tempo técnico para o planejamento do projeto era respeitado. Hoje em dia isso não acontece em 90% dos projetos que ele recebe em seu escritório, que chegam com um briefing muito raso.

A boa arquitetura, para ele, está representada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no MIS, em São Paulo, em que o próprio Índio trabalha em um projeto.

O arquiteto Índio da Costa foi entrevistado por Paulo Markun para o Portal Arquitetura e Urbanismo para Todos, do CAU/BR.

 

 



Artigos relacionados

Em São Paulo, parques naturais municipais estão abandonados desde maio

Não há quem vigie os parques naturais municipais de São Paulo desde maio deste ano. A empresa responsável, a Atlântico Sul Vigilância e Segurança EIRELI, abriu falência em abril. Em maio seus funcionários abandonaram os postos na capital e desde então as unidades de conservação da cidade estão sem vigilância.

Rosa Kliass e a síndrome de Deus

Rosa Kliass paisagista, de 82 anos, nasceu em São Roque e formou-se arquiteta na FAU-USP. Ela é fundadora e ex-presidente da APAB (Associação Brasileira de Arquiteos Paisagistas) fez o projeto paisagístico do Parque da Juventude e a reforma do Vale

A primeira atividade humana, por Gustavo Penna

Um do mais importantes arquitetos mineiros, cuja obra faz parte do pós-modernismo brasileiro. Gustavo Penna teve muito convívio com a arquitetura modernista, mas tornou-se um crítico dela.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta