João Filgueiras Lima, Lelé

João Filgueiras Lima, Lelé

Um acidente de automóvel com sua esposa, em 1963, aproximou o carioca João Filgueiras Lima (1932) de Aloysio Campos da Paz (1934), um médico que iria presidir a Fundação das Pioneiras Sociais dos Hospitais Sarah Kubitschek. E assim surgiram os notáveis edifícios hospitalares projetados por Lelé, como Filgueiras é mais conhecido.
Lelé Formou-se em 1955 na Escola Nacional de Belas Artes – Enba, no Rio de Janeiro e foi trabalhar como desenhista no Instituto dos Aposentados e Pensionistas – IAP. Dois anos mais tarde, foi encarregado de desenvolver e acompanhar a construção dos alojamentos de operários em Brasília e mudou-se para a capital ainda em construção.
Ali envolveu-se na pesquisa de componentes industriais para obras em grande escala. Seus primeiros projetos foram a residência para a embaixada da África do Sul, 1965, e as sedes das montadoras Disbrave-Volkswagen, 1965, Planalto Automóveis-Ford, 1972, e Codipe-Mercedes Benz, 1973, todos em Brasília.
Uma de suas marcas registradas é o uso criativo e ousado de sistemas pré-fabricados de construção em série, que o levaram a criar fábricas de pré-moldados – as primeiras montadas em Salvador, em 1979, para projetos urbanos criados pelo prefeito Mario Kertész. Mais adiante desenvolveu “fábricas de hospitais”, montadas para a construção da rede Sarah Kubitschek, onde foram feitos não apenas os elementos construtivos, mas objetos hospitalares.
Lelé passou a usar a argamassa armada, mais leve que o concreto armado em muitas obras, como as escolinhas de Abadiânia, 1982, no interior de Goiás e também na “fábrica de escolas” do Rio de Janeiro, em 1984, e na Fábrica de Equipamentos Comunitários – Faec, 1985, em Salvador, voltada para a produção de peças de equipamento urbano: escada, arrimo, canaleta pluvial, banco, ponto de ônibus, passarela etc.
As soluções arquitetônicas presentes em suas obras lhe garantiram o prêmio da Bienal Ibero-Americana de Arquitetura e Urbanismo, em Madri, 1998; a Sala Especial na Bienal de Veneza de 2000; e o Grande Prêmio Latino-Americano de Arquitetura da 9ª Bienal Internacional de Arquitetura de Buenos Aires, em 2001. Também recebeu o prêmio Transformadores da revista Trip.


Artigos relacionados

João Batista Vilanova Artigas

Vilanova Artigas foi um expoente da chamada Escola Paulista de arquitetura moderna. Ele lecionou e reformulou o curso de arquitetura da da FAU – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, prédio que ele mesmo projetou, transformando a própria estrutura do espaço acadêmico em uma aula de arquitetura.

Especial Dia da Mulher: Elisabete França

Elisabete é arquiteta e urbanista nascida em Curitiba. Atualmente é diretora do Studio2E Ideias Urbanas e professora em cursos de graduação e especialização, em instituições como a Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) e o núcleo de estudos USPCidades. Entre 1993 e 2000, coordenou o Programa de Saneamento Ambiental da Bacia do Guarapiranga, respondendo pela urbanização de mais de 100 favelas, entretanto, sua atuação recente mais conhecida aconteceu durante sua gestão como Superintendente da Secretaria Municipal de Habitação de São Paulo, entre 2005 e 2012.

Jorge Wilheim no Roda Viva

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=eZtUnzG2dAU&w=832&h=h468]   Nascido em Trieste, na Itália, em 1928, descendente de húngaros, Jorge Wilheim migrou para o Brasil aos 22 anos. Formou-se pela Universidade Presbiteriana Mackenzie em São Paulo. Entre seus primeiros projetos estão Parque Anhembi, o Hospital Albert Einstein

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta