Livro Lina Bo Bardi é lançado em São Paulo

O livro traz um panorama da obra e do pensamento de Lina através de textos, desenhos e fotografias. “A obra de Lina é referência obrigatória para aqueles que veem na arquitetura a possibilidade de lutar por um mundo mais justo e confortável”, diz Marcelo Ferraz, que trabalhou por quinze anos com a arquiteta, compartilhando ideias e desafios. Para Ferraz, o livro permanece atual e instigante. Mostra Lina por Lina sem modismos, folclore ou mistificação, tornando-se fonte primária de pesquisa e apreciação de sua obra.

O Instituto Bardi/Casa de Vidro, em parceria com a Romano Guerra Editora, lançou a 4ª edição do livro Lina Bo Bardi. Organizado por Marcelo Ferraz, a primeira edição foi publicada em 1993, um ano após o falecimento da arquiteta. A última versão da obra está esgotada desde 2010.

 

 

“Com nova tecnologia de digitalização de imagens, esta reedição reproduz o conteúdo de edições anteriores, preservando a escrita e a identidade visual da obra”, observa Victor Nosek, designer gráfico da primeira edição do livro, que desenvolveu nova capa para a publicação. A capa atual, fotografada por Nelson Kon, revela um detalhe do jardim vertical projetado por Lina para o Palácio das Indústrias, sede da Prefeitura de São Paulo, em 1990.

De acordo com Sonia Guarita do Amaral, presidente do Conselho de Administração do Instituto Bardi / Casa de Vidro, a reedição foi viabilizada através da Lei Rouanet / Minc com o patrocínio da Imprensa Oficial do Estado – Secretaria da Cultura e o apoio da EDP.

O lançamento marca, além dos 25 anos da obra, a mudança de nome da instituição, fundada pelos Bardi em 1990 com o nome Quadrante. “Em 1993, um ano após a morte da arquiteta, e como última homenagem à mulher com quem conviveu por 46 anos, Pietro Maria Bardi, reúne o legado cultural do casal no novo nome: Instituto Lina Bo e P. M. Bardi”, acrescenta Sonia Guarita.

 

Via CAU/BR



Artigos relacionados

Novo Centro de Arquitetura de Chicago deve ser inaugurado em 2018

O novo edifício, projetado pelo arquiteto Mies van der Rohe às margens do rio Chicago, terá mais de 1.800 metros quadrados. O local abrigará uma série de exposições e propostas educacionais. E para desenvolver o espaço destinado a essas atividades,

Obras de Oscar Niemeyer são tombadas como Patrimônio Cultural

No dia 7 de junho, o Ministério da Cultura decretou o tombamento de 27 obras projetadas pelo arquiteto. Entre elas está o Palácio da Alvorada, o Palácio do Planalto, o Congresso Nacional, o Museu da Arte Contemporânea em Niterói e

Primeira Rua Completa em São Paulo

Dentro do programa da Rede Nacional para a Mobilidade de Baixo Carbono São Paulo foi a primeira das onze cidades a receber um projeto de Rua Completa na Rua Joel Carlos Borges.   Em 2014, o Concurso 3 Estações convidou

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta