Livro Lina Bo Bardi é lançado em São Paulo

O livro traz um panorama da obra e do pensamento de Lina através de textos, desenhos e fotografias. “A obra de Lina é referência obrigatória para aqueles que veem na arquitetura a possibilidade de lutar por um mundo mais justo e confortável”, diz Marcelo Ferraz, que trabalhou por quinze anos com a arquiteta, compartilhando ideias e desafios. Para Ferraz, o livro permanece atual e instigante. Mostra Lina por Lina sem modismos, folclore ou mistificação, tornando-se fonte primária de pesquisa e apreciação de sua obra.

O Instituto Bardi/Casa de Vidro, em parceria com a Romano Guerra Editora, lançou a 4ª edição do livro Lina Bo Bardi. Organizado por Marcelo Ferraz, a primeira edição foi publicada em 1993, um ano após o falecimento da arquiteta. A última versão da obra está esgotada desde 2010.

 

 

“Com nova tecnologia de digitalização de imagens, esta reedição reproduz o conteúdo de edições anteriores, preservando a escrita e a identidade visual da obra”, observa Victor Nosek, designer gráfico da primeira edição do livro, que desenvolveu nova capa para a publicação. A capa atual, fotografada por Nelson Kon, revela um detalhe do jardim vertical projetado por Lina para o Palácio das Indústrias, sede da Prefeitura de São Paulo, em 1990.

De acordo com Sonia Guarita do Amaral, presidente do Conselho de Administração do Instituto Bardi / Casa de Vidro, a reedição foi viabilizada através da Lei Rouanet / Minc com o patrocínio da Imprensa Oficial do Estado – Secretaria da Cultura e o apoio da EDP.

O lançamento marca, além dos 25 anos da obra, a mudança de nome da instituição, fundada pelos Bardi em 1990 com o nome Quadrante. “Em 1993, um ano após a morte da arquiteta, e como última homenagem à mulher com quem conviveu por 46 anos, Pietro Maria Bardi, reúne o legado cultural do casal no novo nome: Instituto Lina Bo e P. M. Bardi”, acrescenta Sonia Guarita.

 

Via CAU/BR



Artigos relacionados

Em São Paulo, parques naturais municipais estão abandonados desde maio

Não há quem vigie os parques naturais municipais de São Paulo desde maio deste ano. A empresa responsável, a Atlântico Sul Vigilância e Segurança EIRELI, abriu falência em abril. Em maio seus funcionários abandonaram os postos na capital e desde então as unidades de conservação da cidade estão sem vigilância.

Cinco prédios brasileiros vencem prêmio internacional de arquitetura

Dos 31 premiados pelo Mies Crown Hall Americas Prize, cinco são brasileiros. Destaques foram escolhidos entre 200 concorrentes da América do Norte e do Sul Via Gazeta do Povo     O prêmio de arquitetura Mies Crown Hall Americas Prize (MCHAP)

Estudantes brasileiros vencem Prêmio global da Schindler

A premiação, que aconteceu no dia 25 de abril, no Monte Líbano, em São Paulo, teve como tema soluções de arquitetura e design urbano para a área do Ceagesp, de 700 mil metros quadrados. A equipe vencedora, que recebeu um

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta