Livro Lina Bo Bardi é lançado em São Paulo

O livro traz um panorama da obra e do pensamento de Lina através de textos, desenhos e fotografias. “A obra de Lina é referência obrigatória para aqueles que veem na arquitetura a possibilidade de lutar por um mundo mais justo e confortável”, diz Marcelo Ferraz, que trabalhou por quinze anos com a arquiteta, compartilhando ideias e desafios. Para Ferraz, o livro permanece atual e instigante. Mostra Lina por Lina sem modismos, folclore ou mistificação, tornando-se fonte primária de pesquisa e apreciação de sua obra.

O Instituto Bardi/Casa de Vidro, em parceria com a Romano Guerra Editora, lançou a 4ª edição do livro Lina Bo Bardi. Organizado por Marcelo Ferraz, a primeira edição foi publicada em 1993, um ano após o falecimento da arquiteta. A última versão da obra está esgotada desde 2010.

 

 

“Com nova tecnologia de digitalização de imagens, esta reedição reproduz o conteúdo de edições anteriores, preservando a escrita e a identidade visual da obra”, observa Victor Nosek, designer gráfico da primeira edição do livro, que desenvolveu nova capa para a publicação. A capa atual, fotografada por Nelson Kon, revela um detalhe do jardim vertical projetado por Lina para o Palácio das Indústrias, sede da Prefeitura de São Paulo, em 1990.

De acordo com Sonia Guarita do Amaral, presidente do Conselho de Administração do Instituto Bardi / Casa de Vidro, a reedição foi viabilizada através da Lei Rouanet / Minc com o patrocínio da Imprensa Oficial do Estado – Secretaria da Cultura e o apoio da EDP.

O lançamento marca, além dos 25 anos da obra, a mudança de nome da instituição, fundada pelos Bardi em 1990 com o nome Quadrante. “Em 1993, um ano após a morte da arquiteta, e como última homenagem à mulher com quem conviveu por 46 anos, Pietro Maria Bardi, reúne o legado cultural do casal no novo nome: Instituto Lina Bo e P. M. Bardi”, acrescenta Sonia Guarita.

 

Via CAU/BR



Artigos relacionados

SP: O Plano Diretor e as caminhadas urbanas. Vai ficar melhor andar a pé pela cidade? por Mauro Calliari

A primeira boa notícia é que a “ampliação e requalificação dos espaços públicos” é um dos 17 objetivos estratégicos para a cidade.

Código de Ética e Disciplina do CAU/BR – 1.1.3

A diretriz 1.1.3 do Código de Ética e Disciplina do CAU/BR estabelece a relação do arquiteto com o patrimônio arquitetônico.

Affonso Eduardo Reidy

Affonso Eduardo Reidy nasceu em Paris, em 1909, mas fez sua carreira no Rio de Janeiro, onde faleceu, em 1964. Antes mesmo de formar-se na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), em 1930, foi estagiário do urbanista francês Donat Alfred

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta