Lucio Costa: “Registros de uma vivência”

A obra autobiográfica, que apresenta a trajetória profissional e o pensamento de um dos maiores arquitetos e urbanistas brasileiros, será relançada pela Editora 34. O lançamento acontecerá no dia 7 de novembro, às 19h, na livraria da Travessa de Ipanema, no Rio de Janeiro, com a presença de Maria Elisa Costa.

Publicada originalmente em 1995, “Registro de uma Vivência” é formada de textos críticos e memorialísticos, planos, projetos, fotografias e desenhos especialmente escolhidos e compostos pelo autor.

Esgotada há quase 20 anos, a publicação foi reeditada pela Editora 34 em parceria com Edições Sesc SP, respeitando integralmente o projeto gráfico original, acrescida de uma apresentação de Maria Elisa Costa, filha de Lucio, de um índice onomástico, e de um ensaio de Sophia da Silva Telles, que procura decifrar o sentido da obra deste grande arquiteto e urbanista que foi também um dos mais importantes intelectuais brasileiros do século XX.

Registro de uma vivência é o testemunho da figura-chave da arquitetura moderna brasileira.

Com seleção do próprio autor, reúne textos, depoimentos, cartas, desenhos, croquis, projetos e fotografias que cobrem toda a trajetória do autor. Lucio Costa atuou decisivamente na grande revolução cultural que tem início com a Semana de Arte Moderna de 1922, fazendo a ponte entre Le Corbusier, Walter Gropius, Frank Lloyd Wright e Mies van der Rohe, pioneiros que conheceu pessoalmente, e brasileiros em começo de carreira que se agregaram à sua volta como Oscar Niemeyer, Afonso Eduardo Reidy, Carlos Leão, Jorge Moreira e Ernani Vasconcelos.

Via: Archdaily

 



Artigos relacionados

São Luís completa 20 anos como cidade Patrimônio da Humanidade

Conjunto arquitetônico composto por mais de mil casarões seculares, celebra os 20 anos do título de concedido pela UNESCO em 6 de dezembro de 1997.   São Luís celebra nesta quarta-feira (6), os 20 anos do título de Patrimônio Mundial

Pesquisa Inédita: percepções da sociedade sobre Arquitetura e Urbanismo

No mês em que a ONU comemora o “outubro urbano”, o Brasil toma conhecimento de dados preocupantes em relação a obras particulares de suas cidades. Pesquisa inédita realizada pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR) e pelo Instituto

Novo acordo para criação do Parque Augusta

A apropriação do terreno, discutida desde a década de 1970, foi oficialmente concedida aos apoiadores do Parque Augusta. O acordo firmado entre a prefeitura e as construtoras Cyrela e Setin como solução para tornar o espaço público já havia sido

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta