Lúcio Costa

Lúcio Costa

[Vídeo 58]

Não é possível pensar a arquitetura moderna brasileira sem a contribuição de Lúcio Costa. Sua obra mais notável é o projeto que criou a nova capital federal, Brasília.

Nascido na França em 1902, Costa formou-se em arquitetura na Escola de Belas Artes e deixou sua marca tanto no aspecto teórico quanto no prático. Segundo ele próprio, praticou um arquitetura desconectada das grandes novidades mundiais até ser influenciado pelas ideias de Le Corbusier. Em 1929, assumiu a direção da Escola de Belas Artes e começou uma intensa atividade teórica e acadêmica. Reformulou o curso de arquitetura e foi professor de Oscar Niemeyer.


Seu primeiro projeto notável na então recente arquitetura modernista brasileira foi o Palácio Gustavo Capanema, ou Ministério da Educação, no Rio de Janeiro é de 1936. Para ele, algumas características da arquitetura colonial portuguesa o aproximavam da arquitetura contemporânea. Entre elas, a simplicidade e as soluções para condições impostas pelo clima tropical. A partir disso, Costa propunha a valorização do aspecto social da arquitetura, que se reflete na aplicação de alguns conceitos modernistas, como o piso térreo livre [pilotis] e o terraço-jardim.

Esses elementos modernistas estão presentes  no Plano Piloto de Brasília, cujo concurso ele venceu em 1957. Após a construção de Brasília, Lúcio Costa ganhou renome internacional.


Artigos relacionados

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP

O prédio da FAU-USP é um exemplar único da materialização de um conceito de escola como um lugar onde todos se reúnem para aprender, ensinar e aprender a ensinar. Isso é ressaltado pelo fato da escola não ter portas, sob

Affonso Eduardo Reidy

Affonso Eduardo Reidy nasceu em Paris, em 1909, mas fez sua carreira no Rio de Janeiro, onde faleceu, em 1964. Antes mesmo de formar-se na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), em 1930, foi estagiário do urbanista francês Donat Alfred

Arquiteturas: Largo da Batata

um deserto de concreto floresceu inovação urbana

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Seu e-mail nâo será publicado.
Campos obrigatórios estão marcados*