Sindicato faz campanha para valorizar o jovem arquiteto

O Sindicato dos Arquitetos do Rio Grande do Sul (SAERGS) preparou uma campanha de conscientização para os recém-formados em arquitetura ficarem alertas quanto às armadilhas que muitas vezes pioram as condições de mercado para estes profissionais. Em 2012, o Conselho de Arquitetura e Urbanismo realizou o censo dos profissionais brasileiros e a má remuneração ficou entre os principais obstáculos para esses novos profissionais. O estudo indica também a precarização do trabalho e métodos de contratação ilegais por parte das empresas. Além disso, a maioria dos arquitetos brasileiros são assalariados. Atento a esta realidade o sindicato gaúcho lançou a campanha “Manual de Defesa Pessoal do Jovem Arquiteto e Urbanista“, que foi realizada em parceria com o Diretório Acadêmico da Faculdade de Arquitetura da UFRGS.

 

Confira abaixo as dicas:

 

Este slideshow necessita de JavaScript.


Artigos relacionados

Brasil tem três projetos finalistas no WAF Awards 2016

Os escritórios paulistanos Spadoni AA e o Studio MK27 estão entre os concorrentes do WAF (World Architecture Festival), festival que conta com 343 projetos finalistas

Favela: Marcelo Burgos

O professor Marcelo Burgos traça a evolução das favelas, de moradia provisória, de acesso do imigrante à cidade, até sua consolidação e a posterior invasão pela lógica de mercado que não foi acompanhada pela inclusão de outros direitos. Vídeo da

Julia Boaro, morador do Copan

O web-designer Julio Boaro escolheu morar num kitnet do Edificio Copan. Com mais de mil apartamentos, distribuídos por 32 andares, o prédio ícone da arquitetura paulistana possui uma galeria comercial em seu térreo, que para Julio funciona como a praça onde

6 comentários

Escreva um comentário
  1. Suellen
    Suellen 1 setembro, 2014, 09:42

    Infelizmente não conheço nenhum escritório que pague esses valores. Já trabalhei em construtoras que me registraram como assistente técnico em que não ganhava nem metade disso e um escritório de arquitetura muito conhecido em SP que “obrigava” os funcionários a trabalhar 12 horas por dia na condição de autônomo, com um salário que tenho até vergonha de colocar aqui, sem nenhum tipo de direito, e até mesmo no escritório de uma senhora bem conhecida que aparece em programas de TV que se vende como arquiteta e decoradora e não tem nem sequer um curso nessa área….e essas foram só a minhas experiencias. Acho lamentável que não haja mais fiscalização e principalmente mais penalidade para essas pessoas que não dão valor para o profissional que está lá zelando pelo nome delas…

    Responda este comentário
  2. Patrícia
    Patrícia 1 setembro, 2014, 09:47

    Por que o Sindicato não fiscaliza os escritórios?

    Responda este comentário
  3. Vanessa
    Vanessa 1 setembro, 2014, 09:52

    A intenção da campanha é boa, mas somente isso não é o suficiente. É preciso que haja uma fiscalização por parte do sindicato para que isto mude!

    Responda este comentário
  4. Juliana Sá
    Juliana Sá 8 setembro, 2014, 10:09

    Bom dia, sou arquiteta formada a 4 meses estou no aguardo dos documentos da faculdade para dar entrada no meu registro. Trabalho em um escritório de arquitetura, tem eu e mais 4 arquitetas além da dona do escritório. Aqui ninguém tem carteira assina e nem contrato trabalhamos de forma autônoma. O meu caso é que já estou a 3 meses aqui e nada ainda foi conversado sobre o reajuste do meu salário, ainda estou recebendo como estagiária mas trabalhando 8 horas por dia com uma hora de almoço.Já que eu me formei e já tem 4 meses gostaria de saber quais direitos tenho sobre isso, será que já é o momento de eu pedir o aumento do salário? O que mais posso exigir? Gostaria de uma orientação. Obrigada.

    Responda este comentário
  5. Edson Lima
    Edson Lima 16 setembro, 2014, 20:15

    Os dirigentes do sindicato deveriam conhecer a realidade dos escritórios de arquitetura. Essa visão é unilateral. Hoje não contratamos arquitetos devido ao alto custo dos impostos. Infelizmente, o piso salarial previsto em lei é irreal, prova disso é que ninguém consegue contratar, nem mesmo os grandes escritórios.

    Responda este comentário
  6. Tati
    Tati 18 setembro, 2014, 23:11

    Se todos cobrassem o valor devido do cliente não estaríamos passando por esta situação.

    Responda este comentário

Escreva um comentário

Seu e-mail nâo será publicado.
Campos obrigatórios estão marcados*