Casa com jeito de praça

Casa com jeito de praça

Marcos de Azevedo Acayaba (São Paulo SP 1944). Arquiteto, urbanista e professor. Em 1969, forma-se na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – FAU/USP, escola na qual leciona temporariamente entre 1972 e 1976, e definitivamente desde 1994. Ainda estudante, trabalha como estagiário no escritório do engenheiro Mange (1922 – 2005), seu professor. Nessa ocasião, ajuda a desenvolver o projeto da cidade de Ilha Solteira, São Paulo, encomendado pela construtora Camargo Correia. Sua carreira desponta com o projeto da Residência Milan, 1972, na qual reside até hoje com a família. Após essa primeira fase de sua obra, inspirada pela forma livre de Oscar Niemeyer (1907 – 2012) e pelo uso “brutalista” do concreto aparente em São Paulo, passa paulatinamente a utilizar sistemas construtivos variados, tais como a alvenaria armada, a estrutura metálica e, finalmente, a estrutura de componentes de madeira industrializada. Esta é empregada pela primeira vez no projeto da Residência Olga, 1987, com base no sistema construtivo desenvolvido e fabricado pela Ita Construtora. Com a madeira, Acayaba consegue realizar construções leves e com grande balanço.

Conheça a casa de Marcos Acayaba, parte do documentário Casa de Arquiteto, da série Habitar/Habitat, dirigida por Sérgio Roizenblit e Paulo Markun para o SESCTV.


Artigos relacionados

São Paulo vista pelo Departamento de Estado dos EUA (em inglês)

Documentário do Escritório de Assuntos Inter-Americanos dos Estados Unidos sobre a cidade de São Paulo em 1949.

Seis desafios para mudar as cidades por Raquel Rolnik

Desafios das metrópoles brasileiras que precisam de enfrentamento amplo.

Em São Paulo, parques naturais municipais estão abandonados desde maio

Não há quem vigie os parques naturais municipais de São Paulo desde maio deste ano. A empresa responsável, a Atlântico Sul Vigilância e Segurança EIRELI, abriu falência em abril. Em maio seus funcionários abandonaram os postos na capital e desde então as unidades de conservação da cidade estão sem vigilância.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta