Modernismo na Arquitetura

Modernismo na Arquitetura

Na metade do século XX, a arquitetura brasileira foi descoberta por críticos e jornalistas de vários países. A grande surpresa era o surgimento de edificações que pareciam desfrutar de maior  liberdade formal, leveza e uso de materiais e de curvas, bem diferente do uso da Europa e dos Estados Unidos. Os brasileiros também ficaram encantados com o fato de os europeus e americanos estarem olhando para cá e celebrando mais essa manifestação de nossa cultura, ao lado da bossa nova e do cinema novo. Mas o processo começara bem antes e fora impulsionado durante o Estado Novo.

A primeira casa em estilo modernista surgiu em São Paulo, com projeto do russo Gregori Warchavchik (1929-1930). Sem qualquer ornamentação e formada por volumes prismáticos brancos, a obra era tão impactante para a época que, para conseguir obter aprovação junto à prefeitura, o arquiteto apresentou uma fachada totalmente ornamentada, e após a conclusão da obra, alegou falta de recursos para completá-la.

A casa foi reformada pelo próprio Warchavchik nos anos 30, para abrigar a família que crescia. Depois de várias mudanças, o conjunto foi tombado pelo Condephaat, em 1984, seguido pelo Iphan e, posteriormente, pelo Conpresp. Mas somente apatir do ano 2000 se iniciam projetos e obras para a recuperação do imóvel, completados em 2007.

A casa de Warchavichik já tinha as características que iriam definir os grandes projetos modernistas: o racionalismo, o funcionalismo, formas geométricas definidas e ausência de elementos meramente ornamentais, já que a própria obra era considerada um ornamento na paisagem.

O ideólogo do modernismo na arquitetura brasileira, asseguram os especialistas, foi Lúcio Costa. Entre os estrangeiros, nenhum influenciou mais que o franco-suíço Le Corbusier, que aqui esteve várias vezes, inicialmente para orientar a equipe de arquitetos que em 1936 projetou o edifício da nova sede do Ministério da Educação no Rio de Janeiro (Palácio Gustavo Capanema) e em outras realizou conferências para difundir seus ideais, e reforçar a influência sobre os jovens arquitetos da época.

Mais de meio século depois, as obras do modernismo continuam sendo referências importantes e marcos da nossa arquitetura.


Artigos relacionados

Superquadras

Inaugurada há cinquenta anos, Brasília marca, entre outras coisas, o desejo de propor uma nova sociabilidade urbana, que tem na escada residencial o seu desenvolvimento mais radical, as superquadras como unidade básica de um bairro.

Burle Marx

Roberto Burle Marx, um expoente do paisagismo no Brasil, estudou pintura em Berlim, na Alemanha, no final dos anos 1920. Ele introduz o uso de plantas nativas para composição dos jardins e cria os primeiros projetos de terraços com uma aura especificamente brasileira.

Palácio Gustavo Capanema

Fotografia por Cabano Desenvolvido por Lúcio Costa, Affonso Eduardo Reidy, Carlos Leão, Ernani Vasconcellos, Jorge Machado e Oscar Niemeyer, a sede do antigo Ministério da Educação e Saúde Pública é sem dúvida um dos exemplares mais contundentes do impacto da

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Seu e-mail nâo será publicado.
Campos obrigatórios estão marcados*