Mostra em Belo Horizonte reúne propostas para vazios urbanos

Mostra em Belo Horizonte reúne propostas para vazios urbanos

Um dos trabalhos da mostra é Nuvem, de Juliana Sicuro Corrêa (autora), Vitor Garcez e Larissa Monteiro, no qual um pomar surge entre as palafitas, refrescado por uma “nuvem” de água de reúso.

 

A exposição “Outros Territórios” abre no dia 27 de abril (sábado), no Viaduto das Artes, no Barreiro, em Belo Horizonte, apresentando 26 propostas de arte e arquitetura selecionadas pelo júri e pela comissão organizadora da “Chamada Internacional de Projetos para Intervenção Urbana Outros Territórios”. A convocatória foi realizada este ano com o objetivo de reunir intervenções efêmeras para as palafitas (vigas e pilares aparentes) de prédios do bairro Buritis, na capital mineira.

“O Viaduto das Artes e o Buritis têm muito em comum. A inserção de um viaduto no bairro provoca um choque entre a escala viária e a do pedestre, que é o principal usuário da rua. Os baixios de viadutos são um vazio urbano, assim como as palafitas. São intervenções desajeitadas e no mínimo pouco educadas para com a cidade”, afirma Carlos Teixeira, fundador do escritório Vazio S/A e um dos organizadores.

A mostra tem realização do Vazio S/A (escritório de arquitetura que vem provocando o debate sobre vazios urbanos em Belo Horizonte e outras cidades), em parceria com o Coletivo Aurora (voltado ao debate da iluminação e da presença da luz) e com Eduardo de Jesus (curador na área do audiovisual, arte contemporânea e tecnologia). O patrocínio é do Banco Mercantil.

No dia da abertura, haverá um debate com a participação dos jurados da Chamada – que analisaram mais de 101 projetos entregues (desses, houve 91 habilitados) -, e com os organizadores.

“A expansão do meio urbano está cada vez mais voltada para a habitação e o lazer privado e deixa a desejar na ocupação de espaços de interação públicos. As palafitas do Buritis são um exemplo desse contraste, onde há áreas que podem ser melhor aproveitadas, tanto para ocupação social e artística, quanto para que a população crie um elo de cuidado e importância com locais urbanos e os enxergue como protagonistas da cidade”, explica Leandro Gabriel, responsável pelo Viaduto das Artes.

“Compartilhamos a tentativa de construir outros significados para espaços residuais urbanos em Belo Horizonte”, diz Carlos Teixeira.

A segunda fase do projeto “Outros Territórios” consiste na instalação e execução das propostas selecionadas nas palafitas dos edifícios do bairro Buritis – em data ainda a ser definida.

Além de um roteiro livre de visitação às obras pelas ruas do bairro, “Outros Territórios” pretende se configurar como um promotor de debates em torno de questões relativas à cidade, explorando interfaces entre arquitetura, artes visuais, iluminação e paisagem urbana, e problematizando a gestão da cidade, os passivos ambientais e arquitetônicos, os vazios urbanos e o mercado imobiliário.

“Discussões inovadoras como essas estão na agenda dos mais atentos agentes culturais do século XXI. É por isso que estamos entusiasmados por lançar uma plataforma de debates que será compartilhada por criadores e moradores do bairro e da cidade e que patrocinará uma nova mirada sobre o Buritis e vazios urbanos”, afirma Teixeira.

Informações

Exposição Outros Territórios

Data de 27 de abril a 2 de junho

Horário 10h às 17h

Local Viaduto das Artes

Endereço Av. Olinto Meireles, 45, Barreiro, Belo Horizonte

Entrada gratuita

Debate Outros Territórios

Data 27 de abril (sábado)

Horário 11h

Local Viaduto das Artes

Endereço Av. Olinto Meireles, 45, Barreiro, Belo Horizonte

Entrada gratuita

 

Texto original: Arcoweb

 



Artigos relacionados

Edifício em São Paulo é eleito um dos melhores do mundo

O edifício Forma Itaim, na Vila Nova Conceição, Zona Sul de São Paulo, aparece na lista dos melhores prédios mais altos do mundo em 2019. Ele venceu na categoria abaixo de 100 metros de altura, na eleição do Conselho de

Ruy Ohtake: “A população gosta muito dos meus trabalhos, mas os arquitetos, não”

Formado em 1960, Ruy Ohtake atua na prática arquitetônica há mais de cinco décadas, tendo trabalhado juntamente com outros grandes nomes da arquitetura brasileira, como Vilanova Artigas e Paulo Mendes da Rocha. Até meados da década de 1980, sua produção

Cohousing, a “república” de velhos, conquista espaço em Portugal

Texto do jornalista Paulo Markun para o blog Em Tempo, da Folha de S.Paulo O conceito do cohousing surgiu na Dinamarca nos anos 70 do século passado – hoje 8% dos dinamarqueses vivem nesse tipo de moradia. A expressão foi

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta