Museu Ao Ar Livre Princesa Isabel é tombado pelo Iphan

Museu Ao Ar Livre Princesa Isabel é tombado pelo Iphan

Na quarta-feira, 12, o Conselho Nacional do Patrimônio Cultura do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) julgou, por fim, a proposta catarinense de tombamento da instituição – processo iniciado em 1987. O Museu Ao Ar Livre Princesa Isabel, localizado em Orleans, passa a ser reconhecido, por unanimidade, como patrimônio cultural brasileiro.

O espaço, de 20 mil metros quadrados e pertencente à Fundação Educacional Barriga Verde, recria a memória dos processos de imigração e colonização da região sudeste do estado e preserva as técnicas e métodos de trabalho dos colonos chegados entre os séculos XIX e XX. O acervo ainda é representante da fase pré-industrial do país, momento de forte coexistência do maquinário e artesanato e, por isso, reflete parte da cultura da indústria do Brasil.

 

Imagem: Acervo Museu Ao Ar Livre Princesa Isabel

 

“O nosso museu merece muito esse reconhecimento. Esse espaço cultural riquíssimo agora ganha visibilidade nacional e abre diversas oportunidades, potencializa e dissemina a história e a memória dos imigrantes”, declara a diretora do museu, Valdirene Böger Dorigon.

 

Conheça mais sobre o museu no site oficial



Artigos relacionados

Prêmio Mulheres na Arquitetura 2019

Foi liberada a lista de arquitetas nomeadas para o prêmio Arquiteta do Ano e o Prêmio Moira Gemmill por Arquitetura Emergente. A lista contempla arquitetas da Suíça, Espanha, Irlanda, França, dos Países Baixos e da China, que trabalham em projetos

Carlos Fernando lança livro sobre urbanismo no Rio

O livro “Vazou: Crônicas do Urbanismo Carioca“, do arquiteto e urbanista e conselheiro federal do CAU/BR pelo Rio de Janeiro Carlos Fernando Andrade, será lançado na segunda-feira, 8 de julho, na Livraria da Travessa de Botafogo, às 19h. A obra

Exposição Lina Bo Bardi

A exposição Lina Bo Bardi Drawing, da Fundació Joan Miró, que acontece entre os dias 15 de fevereiro e 26 de maio, é sobre o profundo senso de conexão que a artista Lina Bo Bardi (1914-1992) tinha com o desenho.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta