Novo acordo para criação do Parque Augusta

A apropriação do terreno, discutida desde a década de 1970, foi oficialmente concedida aos apoiadores do Parque Augusta. O acordo firmado entre a prefeitura e as construtoras Cyrela e Setin como solução para tornar o espaço público já havia sido apontada anteriormente por diversos urbanistas e ativistas como viável.

A proposta é de que as construtoras doem o terreno à prefeitura e em troca seja repassada a elas títulos de potencial construtivo que poderão ser utilizados em empreendimentos em outras regiões da cidade.

Os proprietários receberão um Certificado de Transferência de aproximadamente 3.360m² (correspondente a 10% da área de 24.000m², acrescido do fator de incentivo 1,4, conforme a regra de transferência aplicada em uma ZEPAM), e devem ainda pagar uma indenização de R$ 9,8 milhões, dos quais R$ 6,2 milhões serão destinados à construção do parque, R$ 2 milhões para sua manutenção durante dois anos e o restante para obras sociais e ajustes relacionados à Praça Roosevelt.

 

Foto: Danilo Verpa / Folhapress

 

História:

Em 2011 a Câmara aprovou em 1ª votação a criação do parque. Logo no ano seguinte, as empresas Setin e Cyrela apresentaram seu projeto para a área. A ideia inicial das construtoras era erguer duas a três torres que abrigariam possivelmente unidades comerciais e hoteleiras, além de residenciais. Em 2013 os portões do terreno foram por fim fechados ao público.

Diversos movimentos ganharam vida em prol do Parque durante os anos seguintes.até que em 2017, o então prefeito de São Paulo, João Doria, propõe às construtoras uma área pertencente ao município na região de Pinheiros, em troca do terreno do parque. O acordo foi recusado pelas construtoras antes mesmo ter ganhar o aval da Justiça e da Câmara.

O último acordo firmado entre Prefeitura e as empresas envolvidas promete ser entregue à população até 2020.  

 

 

 

Fontes: Estadão e Raquel Rolnik

 



Artigos relacionados

Ocupação: Paulo Mendes da Rocha

O Arquiteto Paulo Mendes da Rocha é o 41º homenageado do programa Ocupação, cuja proposta é que a arquitetura sirva como narrativa das experiências que os espaços podem nos permitir. As obras do arquiteto estão expostas no Itaú Cultural, em

Exposição permite que visitante “coma” Brasília

Uma Brasília mais “doce” poderá ser devorada neste sábado, a partir das 11 horas da manhã.

André Corrêa do Lago é o primeiro brasileiro a integrar o júri do Pritzker

Esta é a primeira vez que um brasileiro é convidado a fazer parte da equipe de júri do Pritzker, considerado o Nobel da Arquitetura. A decisão foi anunciada no sábado, 20 de maio, durante a entrega do prêmio aos integrantes

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta