Ocupação: Paulo Mendes da Rocha

O Arquiteto Paulo Mendes da Rocha é o 41º homenageado do programa Ocupação, cuja proposta é que a arquitetura sirva como narrativa das experiências que os espaços podem nos permitir. As obras do arquiteto estão expostas no Itaú Cultural, em São Paulo, até o dia 04 de novembro.

Com curadoria do arquiteto Guilherme Wisnik e do instituto, a mostra reúne croquis, fotografias, maquetes, textos críticos e depoimentos de Mendes da Rocha que expõem sua obra e suas perspectivas criativas. O tema que guia a exposição são as águas, elemento que atravessa o trabalho do urbanista e professor de várias formas: desde o imaginário dos rios e dos mares até a proposta de um sistema fluvial para a América Latina, passando pela piscina como ideal de espaço público.

 

Paulo Mendes da Rocha nasceu em 1928, na cidade de Vitória (ES). No início da carreira, foi assistente do arquiteto e professor João Villanova Artigas (1915-1985), contemplado pelo programa Ocupação em 2015. Ambos são parte da Escola Paulista, vertente arquitetônica que enfatiza a técnica, o uso do concreto armado e a apresentação da estrutura . Desde aí, Mendes da Rocha projetou de edifícios a residências, de praças a estádios.

Entre as obras projetadas por ele estão o Clube Athletico Paulistano, o Museu Brasileiro de Escultura e Ecologia (MuBE), a Praça do Patriarca, o Poupatempo Itaquera, o Sesc 24 de Maio, o estádio Serra Dourada e as reformas da Pinacoteca do Estado de São Paulo e do Centro Cultural Fiesp. Além disso, fez construções particulares, cenografias para teatro e shows e, em entrevistas e textos, disseminou um discurso consistente sobre a arquitetura.

 

A visitação – livre para todos os públicos – pode ser feita de terça a sexta-feira, das 09h às 20h30, e aos sábados, domingos e feriados, das 11h às 20 horas. O acesso se dá pelo Piso 1.

Via Itaú Cultural



Artigos relacionados

Projeto “Volume Vivo” investiga a crise hídrica do estado de São Paulo

Preocupado com a pior crise hídrica que a cidade de São Paulo vive nos últimos 80 anos, o cineasta Caio Ferraz resolveu fazer uma série de mini documentários sobre o assunto para explicar as múltiplas causas da falta de água.

Conpresp aprova tombamento do Complexo do Carandiru e de prédios, piscinas e estádio da USP

Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp) aprovou o tombamento do Complexo do Carandiru, na Zona Norte, e de um conjunto de imóveis da Universidade de São Paulo, na Zona Oeste.

CAU/BR lança campanha “Projeto Arquitetônico, só com arquiteto”

Campanha do CAU/BR chama atenção para o respeito à resolução 51

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta