ONU-HABITAT acompanha processo de revisão de novo Plano Diretor de BH

Presente no Brasil há mais de 20 anos, o Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT) tem atuado no tema da legislação urbana, acompanhando a elaboração e a implementação de Planos Diretores das cidades, por considerá-los instrumentos basilares para orientar o desenvolvimento urbano brasileiro.

O organismo internacional da ONU tem acompanhado o processo de revisão dos Planos Diretores de Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro, entre outras cidades.

No caso de Belo Horizonte, o Plano está prestes a ser aprovado pela Câmara Municipal em segundo turno. Para o ONU-HABITAT, a proposta avança de forma significativa na abordagem trazida pelo Estatuto da Cidade (Lei Federal 10.257/01) e pela Nova Agenda Urbana, não sendo apenas uma carta de diretrizes, mas uma ferramenta de regulação urbana que interfere no processo de produção e transformação do espaço urbano para o bem comum.

O Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT) tem por mandato promover o desenvolvimento sustentável das cidades e proporcionar moradia adequada para todos e todas. As agendas globais relacionadas ao desenvolvimento urbano, como a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e a Nova Agenda Urbana, estão intrinsecamente entrelaçados com a principal missão do organismo internacional.

Presente no Brasil há mais de 20 anos, o ONU-HABITAT tem atuado no tema da legislação urbana, acompanhando a elaboração e a implementação de Planos Diretores das cidades, por considerá-los instrumentos basilares para orientar o desenvolvimento urbano brasileiro.

Em 2014, o ONU-HABITAT reconheceu a relevância do Plano Diretor Estratégico de São Paulo como uma referência de implementação da Nova Agenda Urbana por apresentar uma estratégia clara de desenvolvimento urbano e ordenamento territorial sustentável, fortemente alinhada aos preceitos desta agenda.

 

Vista aérea de Belo Horizonte (MG). Foto: ONU-HABITAT

 

Mais recentemente, tem acompanhado o processo de revisão dos Planos Diretores de Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro, entre outras cidades.

No caso de Belo Horizonte, o Plano está prestes a ser aprovado pela Câmara Municipal em segundo turno. Para o ONU-HABITAT, a proposta avança de forma significativa na abordagem trazida pelo Estatuto da Cidade (Lei Federal 10.257/01) e pela Nova Agenda Urbana, não sendo apenas uma carta de diretrizes, mas uma ferramenta de regulação urbana que interfere no processo de produção e transformação do espaço urbano para o bem comum.

Segundo o ONU-HABITAT, a proposta de Plano Diretor da cidade determina que o uso e a ocupação do solo, a produção imobiliária e todos os imóveis urbanos obedeçam um modelo sustentável de desenvolvimento urbano que responda ao princípio norteador da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável — “não deixar ninguém para trás”.

Uma das polêmicas do novo Plano Diretor de Belo Horizonte tem girado em torno da Outorga Onerosa do Direito de Construir. O instrumento é empregado com sucesso por várias cidades no mundo por reconhecer o direito de construir decorrente da regulação urbana como um bem público que deve ser concedido de forma onerosa quando ocorrer sua utilização acima do coeficiente de aproveitamento básico. Isto é, a valorização imobiliária gerada pela regulação urbana deve ser revertida em melhorias urbanas em toda a cidade, sendo considerada uma ação estratégica para contribuir com a boa governança urbana.

Geralmente, a introdução desse instrumento gera ampla discussão envolvendo cidadãos, empreendedores, proprietários e poder público, o que ocorreu em Belo Horizonte, o que segundo o ONU-HABITAT é importante sinal para se ter um debate público e democrático.

Ao mesmo tempo, o ONU-HABITAT salienta que há forte embasamento técnico e legal para a implementação do Plano — vide incisos IX e XI do artigo 2º da Lei Federal 10.257/01, o parágrafo 137 da Nova Agenda Urbana e diversos estudos e pesquisas desenvolvidos pelas universidades brasileiras e por institutos e entidades de cooperação técnica internacional, como Banco

Interamericano de Desenvolvimento (BID), Banco Mundial e Lincoln Institute of Land Policy.

Os municípios que experimentaram a implementação de um Plano Diretor lograram forte êxito numa conduta mais sustentável do planejamento e desenvolvimento urbano, segundo o ONU-HABITAT. O organismo das Nações Unidas também diz estar à disposição para apoiar Planos Diretores que sejam eficientes nas respostas aos desafios que imperam nas cidades.

 

Texto: Redação ONU

 



Artigos relacionados

Parque e Museu Campo de Marte devem ser inaugurados em dois anos

Foi anunciado pelo Prefeito de São Paulo, João Doria, o projeto preliminar do Parque Campo de Marte e do Museu Aeroespacial Santos Dumont. A data de início da obra ainda é incerta. Até janeiro devem ser publicados pela Câmara Municipal,

Abertas as inscrições para o 27º Congresso Mundial dos Arquitetos

Estão abertas as inscrições para 27º Congresso Mundial da União Internacional dos Arquitetos (UIA), maior evento da arquitetura mundial, que será realizado pela primeira vez no Brasil, na cidade do Rio de Janeiro, em 2020. Com o tema “Todos os

CAU/BR estreia programa Arquitetura para a Vida na Rádio CBN

Programa traz as principais informações para quem quer construir ou reformar cau   O CAU/BR tem uma novidade incrível para arquitetos e urbanistas de todo o Brasil. A partir desta segunda, 9 de abril, a rádio CBN vai veicular o

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta