Os jardins verticais e a compensação ambiental

Os jardins verticais e a compensação ambiental

A Justiça negou o pedido do Ministério Público de liminar que impede o município de São Paulo de tratar os jardins verticais como uma compensação ambiental do desmatamento causado pelos novos empreendimentos.

De acordo com o promotor de Justiça Marcos Stefani, da 1ª Promotoria de Justiça de Meio Ambiente de São Paulo, os jardins verticais são uma tentativa falha de proporcionar os mesmos serviços que as árvores adultas, porque realizam fotossíntese e evapotranspiração em menores escalas. Para ele, os jardins são benéficos à cidade, mas não são capazes de substituir as espécies arbóreos.

A Justiça, no entanto, recusou os argumentos do promotor. “Há muitos critérios técnicos, não abordados amplamente na inicial [do Ministério Público] que devem ser considerados; igualmente, há diversas situações fáticas que podem ora autorizar a compensação ambiental, ora desaprová-la, mas o pedido não faz distinção alguma e pretende a difusa e irrestrita suspensão de sua aplicação”, explica juiz Luis Manuel Fonseca Pires, da 3ª Vara de Fazenda Pública de São Paulo.

A partir de agora, o processo continua e a prefeitura poderá se defender. A prefeitura já está ciente da decisão e não se posicionou sobre a mesma.

 

Fonte: G1



Artigos relacionados

Parque e Museu Campo de Marte devem ser inaugurados em dois anos

Foi anunciado pelo Prefeito de São Paulo, João Doria, o projeto preliminar do Parque Campo de Marte e do Museu Aeroespacial Santos Dumont. A data de início da obra ainda é incerta. Até janeiro devem ser publicados pela Câmara Municipal,

Burle Marx

Roberto Burle Marx, um expoente do paisagismo no Brasil, estudou pintura em Berlim, na Alemanha, no final dos anos 1920. Ele introduz o uso de plantas nativas para composição dos jardins e cria os primeiros projetos de terraços com uma aura especificamente brasileira.

Edifício Altino Arantes – o Banespão

Foi Ademar de Barros, como governador eleito, que em 1947 celebrou, por fim, a inauguração do Edifício Altino Arantes. Depois de oito anos de construção, o prédio hoje conhecido como Banespa – sede do Banco do Estado de São Paulo

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta