Os jardins verticais e a compensação ambiental

Os jardins verticais e a compensação ambiental

A Justiça negou o pedido do Ministério Público de liminar que impede o município de São Paulo de tratar os jardins verticais como uma compensação ambiental do desmatamento causado pelos novos empreendimentos.

De acordo com o promotor de Justiça Marcos Stefani, da 1ª Promotoria de Justiça de Meio Ambiente de São Paulo, os jardins verticais são uma tentativa falha de proporcionar os mesmos serviços que as árvores adultas, porque realizam fotossíntese e evapotranspiração em menores escalas. Para ele, os jardins são benéficos à cidade, mas não são capazes de substituir as espécies arbóreos.

A Justiça, no entanto, recusou os argumentos do promotor. “Há muitos critérios técnicos, não abordados amplamente na inicial [do Ministério Público] que devem ser considerados; igualmente, há diversas situações fáticas que podem ora autorizar a compensação ambiental, ora desaprová-la, mas o pedido não faz distinção alguma e pretende a difusa e irrestrita suspensão de sua aplicação”, explica juiz Luis Manuel Fonseca Pires, da 3ª Vara de Fazenda Pública de São Paulo.

A partir de agora, o processo continua e a prefeitura poderá se defender. A prefeitura já está ciente da decisão e não se posicionou sobre a mesma.

 

Fonte: G1



Artigos relacionados

Rosa Artigas: Entre a preservação do patrimônio urbano e o IPTU da cidade de São Paulo

Artigo da historiadora Rosa Artigas sobre a difícil situação de preservar as obras do pai e pagar altos impostos à Prefeitura.

Dia Mundial das Cidades

ONU faz chamada para repensar cidades mais sustentáveis Na edição deste ano, o Dia Mundial das Cidades, comemorado no dia 31 de outubro pela Organização das Nações Unidas (ONU), adotou o tema Cidades Sustentáveis e Resilientes. O tema de 2018

Severiano Mário Porto

Mineiro de Uberlândia (1928), Severiano Mario Porto formou-se em Arquitetura na Faculdade Nacional de Arquitetura da Universidade do Brasil, atual UFRJ. Tinha 37 anos quando foi para Manaus. Naquela época, 1965, a Amazônia ainda tinha poucas obras de porte e

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta