Oscar Niemeyer ganha exposição no Instituto Tomie Ohtake

Depois de passar por Rio de Janeiro e Brasília, a exposição “Oscar Niemeyer (1907-2012) – Territórios da Criação”, em comemoração aos 110 anos de nascimento do arquiteto, chega em 2 de abril no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo. A mostra estará aberta para visitação até o dia 19 de maio de 2019.

A curadoria de Marcus Lontra e Max Perlingeiro, além de reunir  um conjunto inédito de desenhos, pinturas, esculturas e peças de mobiliário feitos pelo consagrado arquiteto, traz também obras de artistas que trabalharam com ele em seus emblemáticos projetos, como Alfredo Ceschiatti (1918-1989), Alfredo Volpi (1896-1988), Athos Bulcão (1918-2008), Bruno Giorgi (1905-1993), Candido Portinari (1903-1962), Franz Weissmann (1911-2005), Joaquim Tenreiro (1906-1992), Maria Martins (1894-1973), Roberto Burle Marx (1909-1994) e Tomie Ohtake (1913-2015).

Oscar Niemeyer nasceu no Rio de Janeiro em 15 de dezembro de 1907, e morreu na mesma cidade em 5 de dezembro de 2012. “Ao longo de sua vida, Niemeyer produziu intensamente e afirmou-se não apenas como arquiteto, como a primeira referência estética brasileira reconhecida em todo mundo, mas também como artista e intelectual respeitado, atuando em várias frentes do conhecimento humano”, afirma Marcus Lontra.

“Ruínas de Brasília” (1964), duas raras pinturas de Niemeyer – uma delas nunca exposta – se juntam a 25 desenhos inéditos, que retratam com seu inconfundível traço a Igreja de São Francisco de Assis, na Pampulha, em Belo Horizonte, a Oca e o Parque Ibirapuera, em São Paulo, o Palácio do Planalto, a Catedral de Brasília, o Palácio da Alvorada, o Caminho Niemeyer, em Niterói, e a Bolsa de trabalho, em Bobigny, França, entre outros. A paixão pela figura feminina e suas curvas também estão nos desenhos feitos em sua maioria em caneta hidrográfica sobre papel. Max Perlingeiro lembra que certa vez Niemeyer contou: “Eu tinha 5, 7 anos, e ficava desenhando com o dedo no ar. Minha mãe perguntava: – Menino, o que você está fazendo? Estou desenhando”.  

A exposição também dedica um espaço a retratos de Oscar Niemeyer assinadas por grandes fotógrafos: Antonio Guerreiro, Bob Wolfenson, Edu Simões, Evandro Teixeira, Juan Esteves, Luiz Garrido, Marcio Scavone, Nana Moraes, Nani Góis, Orlando Brito, Ricardo Fasanello, Rogerio Reis, Vilma Slomp, Walter Carvalho e Walter Firmo.

 

Fonte Instituto Tomie Ohtake

 



Artigos relacionados

São Paulo deve ganhar roda gigante feita por arquitetos da London Eye

A proposta é que a roda gigante paulista tenha cerca de 150 metros de altura e conte com 32 cabines – cada uma com capacidade para 32 pessoas. De acordo com informações publicadas na Coluna da jornalista Mônica Bergamo, o

Obras de Niemeyer e Eero Saarinen recebem fundo internacional da Getty Foundation para preservação

Como parte de sua iniciativa Keeping It Modern, a Getty Foundation anunciou o investimento de US$ 1,7 milhão em um fundo de conservação que será repassado a onze edifícios icônicos do século XX. Incluindo projetos de abrangência local e internacional,

Oscar Niemeyer no Roda Viva

Niemeyer ficou mundialmente conhecido pela ousadia inovadora de sua arquitetura cheia de curvas. Os prédios que abrigam o Governo Federal brasileiro são apenas alguns exemplos de sua vasta produção.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta