O conjunto da Pampulha

O conjunto da Pampulha

A encomenda foi do então prefeito de Belo Horizonte, Juscelino Kubitschek de Oliveira, ao jovem arquiteto Oscar Niemeyer: construir cinco edifícios em torno do largo artificial da Pampulha – um cassino, um clube de elite, um salão de danças popular, uma igreja e um hotel, que não foi realizado. Mais adiante, o prefeito ainda pediu uma residência de veraneio para ele e sua família.
Parte do plano de modernização da cidade, como a cidade universitária e o distrito industrial, batizado de Cidade Industrial, o complexo pretendia criar na Pampulha um centro de lazer de luzo. Niemeyer chamou o calculista Joaquim Cardoso e o paisagista Roberto Burle Marx e projetou cada edifício como uma unidade, mas interligada aos demais.
A Igreja de São Francisco é considerada a obra-prima do conjunto. Nessa obra o arquiteto lança mão de nova solução construtiva: não mais a estrutura independente, com lajes de concreto apoiadas em pilares, de acordo com o léxico arquitetônico racionalista, mas uma abóbada parabólica de concreto armado, estrutura até então só empregada em obras de engenharia como o hangar de aviões do aeroporto de Orly, em Paris.


Artigos relacionados

Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro

A primeira obra de arte exposta pelo Museu de Arte Moderna do Rio contém todas as outras. Seu prédio é um ícone da arquitetura racionalista. Com localização privilegiada, no Parque do Aterro do Flamengo, o museu ganhou fama internacional e se

Prédio tombado da IAB/SP recebe prêmio internacional

O prédio sede da IAB/SP recebeu a medalha de prata no “Domus International Award for Restoration and Preservation”

Concreto armado

O concreto armado abriu novos precedentes para a arquitetura brasileira. A união de resistência à tração e compressão permitiu projetos mais ousados no aspecto formal.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta