Paulo Mendes da Rocha: maior arquiteto brasileiro vivo completa 90 anos de idade

O maior arquiteto brasileiro vivo completou no dia 25 de outubro 90 anos de idade. Nascido em Vitória (ES) e formado na Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo, destacou-se muito cedo, aos 29 anos, ao vencer o concurso para o Ginásio do Clube Atlético Paulistano, 1958. Integra o grupo liderado por Vilanova Artigas constitui a chamada “Escola Paulista” na Arquitetura. São de sua autoria projetos como o Museu Brasileiro da Escultura (MuBE), a reforma da Pinacoteca do Estado e, em conjunto com o filho Pedro, o Museu da Língua Portuguesa, todos em São Paulo. Entre seus trabalhos mais recentes estão o novo Museu dos Coches, em Lisboa (Portugal), aberto ao público em 2015, e o Sesc 24 de Maio, em São Paulo, inaugurado em 2017.

Ele já recebeu o Prêmio Mies van der Rohe de Arquitetura Latino-americana em 2000; o Prêmio Pritzker (“o Nobel da Arquitetura”) em 2006; o Leão de Ouro da Bienal de Veneza de 2016; o Imperiale Praemium (Prêmio Mundial de Cultura em Memória de Sua Alteza Imperial o Príncipe Takamatsu do Japão), também em 2016; e a Medalha de Ouro Real de 2017 do Royal Institute of British Architects (RIBA). Para a presidente do RIBA, Jane Duncan, Paulo Mendes da Rocha “é um arquiteto de classe mundial e uma verdadeira lenda viva”. Seu trabalho, disse ela, “é altamente incomum em comparação com a maioria dos arquitetos mais famosos do mundo. É um arquiteto com uma incrível reputação internacional, mas quase todas as suas obras-primas são construídas exclusivamente em seu país de origem. Revolucionária e transformadora, a obra de Mendes da Rocha tipifica a arquitetura do Brasil dos anos 50 – concreto cru, robusto e belamente “brutal”.

Sua marca se firmou na “Escola Paulista”, cuja produção se caracteriza pelo emprego “brutalista” do concreto armado, e pela ênfase nas soluções estruturais de grande porte. Apesar de ser considerado discípulo de Artigas – dadas a ascendência ideológica e a maior experiência profissional e pedagógica deste -, é Mendes da Rocha quem primeiro prefigura as características fundamentais dessa “escola”, por meio do Ginásio do Clube Atlético Paulistano, em 1958. Estruturada em seis enormes pilares de concreto que se afinam ao encontrar o solo, essa obra pioneira antecipa muitas das características da “virada brutalista” ocorrida na carreira de Artigas no ano seguinte.

 

Para ler a matéria na íntegra, acesse: CAU/BR

 



Artigos relacionados

São Paulo nas Alturas

Foi lançado na quarta-feira (16) o livro São Paulo nas Alturas, do jornalista Raul Juste Lores. Desde cedo observador. Quando criança, Raul já passeava pelas ruas de Santos com atenção, admirado pelos grandes edifícios e construções. Em 2015, quando chegou

MASP celebra 50 anos com série de palestras gratuitas

Um dos edifícios mais conhecidos da Avenida Paulista, construído pela arquiteta Lina Bo Bardi, celebra os 50 anos com série de palestras gratuitas.O Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo, em parceria com  a empresa Goodyear Brasil, promovem o

São Paulo deve ganhar roda gigante feita por arquitetos da London Eye

A proposta é que a roda gigante paulista tenha cerca de 150 metros de altura e conte com 32 cabines – cada uma com capacidade para 32 pessoas. De acordo com informações publicadas na Coluna da jornalista Mônica Bergamo, o

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta