Prédio tombado da IAB/SP recebe prêmio internacional

Prédio tombado da IAB/SP recebe prêmio internacional

Referência de arquitetura moderna paulistana, o prédio sede do IAB São Paulo recebeu na última sexta-feira, dia 26 de fevereiro, a medalha de prata no “Domus International Award for Restoration and Preservation”, realizado na Itália, pelo projeto de restauração do edifício.

Erguida entre 1947 e 1950, sob plano dos arquitetos Rino Levi, Roberto Cerqueira Cesar, Miguel Forte, Jacob Ruchti, Galiano Ciampaglia, Zenon Lotufo, Abelardo de Souza e Hélio Duarte, a construção, localizada no centro da cidade, é reconhecida por sua estrutura independente, planta livre e fachadas recuadas nos dois últimos andares.

O espaço utilizado para debates e encontro de intelectuais, foi perdendo seu prestígio e beleza ao longo dos anos, acabando com a fachada pichada, tapumes nas janelas e infiltrações. Seis décadas após seu lançamento, o IAB São Paulo decidiu abrir um crowdfunding – financiamento coletivo – pedindo aos internautas uma colaboração para colocar o restauro do prédio tombado pelo IPHAN em prática, mas não obteve muito sucesso.

Com o auxílio financeiro do governo do Estado de São Paulo, o projeto encabeçado pelo arquiteto Silvio Oksman recuperou a marquise, estancou as infiltrações, adequou o prédio as normas de segurança exigidas pelo Código de Obras Municipal e pelo Corpo de Bombeiros, além de modernizar algumas estruturas do edifício, por exemplo, a recuperação do sistema de capitação de águas pluviais, que já estava sem desempenhar sua função há algum tempo.



Artigos relacionados

Arquitetura latina de volta ao MoMA, em Nova Iorque

Exposição relembra mostra anterior, em 1955, e traça panorama da influência da escola nas atuais cidades latinas.

Sede da Fundação Norman Foster é inaugurada em Madri

A inauguração, que aconteceu no dia 1 de junho, foi marcada pelo Fórum Future is Now e contou com participantes de destaque no mundo da arquitetura e urbanismo, como Alejandro Aravena, ganhador do Prêmio Pritzker em 2016. A sede foi

Plano Piloto de Brasília

A nova capital foi projetada com um modelo urbanístico inovador. Seu plano piloto adota os preceitos da famosa Carta de Atenas, de 1933. O documento redigido pelo arquiteto franco-suíço Le Corbusier propunha um zoneamento seletivo, com uma divisão de áreas segundo quatro funções: habitar, trabalhar, circular e recrear.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta