Prefeitura decide pelo desativamento do Minhocão

Prefeitura decide pelo desativamento do Minhocão

O prefeito Bruno Covas (PSDB) decidiu que o elevado João Goulart, o Minhocão, que liga o centro à zona oeste de São Paulo, será desativado e vai ser transformado em um parque. As obras para adaptação das quatro faixas elevadas, construídas na década de 1970, vão começar no segundo semestre deste ano. A expectativa é de que o primeiro trecho do parque, da praça Roosevelt até o largo do Arouche, fique pronto já em 2020, a tempo de Covas apresentar a obra como uma “marca” de sua gestão para a disputar a reeleição.

A necessidade de se desativar o Minhocão foi determinada pelo Plano Diretor da cidade de 2016, criado na gestão de Fernando Haddad (PT). Mas ele deixou em aberto o que seria feito com a estrutura. Covas decidiu que cumpriria a regra e pediu estudos sobre o que poderia ser feito no espaço. A decisão foi adiada até que o custo fosse estimado e a questão dos viadutos da cidade, que precisam de reparos de emergência, fosse tida como equacionada.

As obras que ocorrem este ano não devem interromper todo o tráfego, mas precisarão de esquema especial. Serão construídos nove pontos de acesso, entre escadas e elevadores, além de serviços para garantir a segurança dos pedestres, como mudanças nas grades laterais. A ideia é que, além de áreas verdes e bancos, os apartamentos de prédios vizinhos ao Minhocão possam construir passarelas com conexão para o elevado e, nesses imóveis, transformá-los em pontos comerciais, como bares e restaurantes.

A Prefeitura tinha a missão de decidir o destino do parque desde que Covas sucedeu a João Doria (PSDB), em abril de 2018. O ex-prefeito já havia conversado com o escritório do arquiteto e político Jaime Lerner para revisar a proposta de criação de parque que Lerner havia feito à gestão Gilberto Kassab (PSD), que durou de 2006 a 2012.

A Prefeitura cogitou derrubar todo o Elevado e revitalizar a rua Amaral Gurgel e as avenidas São João e General Olímpio da Silveira, sob o Minhocão. Mas a ideia foi descartada por causa dos cálculos do custo de obras para mitigar transtornos, como poeira, e por não ter como retirar dali, sem impactos, o corredor de ônibus do centro à zona oeste. A decisão foi transformar a estrutura em parque.

A estimativa é que esta 1.ª fase custe R$ 38 milhões. A proposta considera conceder o parque à iniciativa privada, ou pontos comerciais dentro dele, para custear a manutenção, de modo a evitar falta de verba para cuidar da vegetação, como no Corredor Verde da Avenida 23 de Maio feito por Doria.

Covas diz estar ciente de que a proposta é polêmica, mas defende a medida. “Entendemos, pelo benefício que traz, pelo que hoje é a vontade da população, que é fazer um parque no primeiro trecho dele, da Roosevelt até o largo Santa Cecília. Depois, o outro trecho dele, quem me suceder discute se vai ampliar ou retirar o parque.”

 

Obras

Serão três fases. A primeira é de obras de acessibilidade e segurança, a segunda é construir o parque, que levará 17,5 mil m² de área verde para os 900 metros que separam o Arouche e a Roosevelt. A terceira é o Plano de Intervenção Urbana (PIU) da região, e a avaliação da sequência do parque ao fim do Elevado.

Até essa definição, o trânsito continuará em parte do elevado, das avenidas São João e Francisco Matarazzo. “O parque poderá ser a ligação entre essas diversas praças da região central”, disse o secretário de Urbanismo, Fernando Chucri. Até a semana que vem, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) deve concluir estudo sobre as obras. Intervenções complementares podem ser necessárias. “Uma alça, um alargamento viário.” Ele diz que o parque será “montado” sobre o local e será avaliado. A Prefeitura não descarta devolver o espaço aos veículos, caso a prática se mostre inviável para o trânsito.

“Quem seguir no sentido de Perdizes e Barra Funda poderá pegar o elevado por acesso próximo à rua Helvétia, na região dos Campos Elísios”, diz a Prefeitura, em nota. “Até esse ponto, o motorista deverá seguir pela avenida Amaral Gurgel. No outro sentido, o caminho em direção à zona leste será interrompido na passagem para a Rua Sebastião Pereira, na Vila Buarque”.

Texto original Estadão



Artigos relacionados

Ruy Ohtake: “A população gosta muito dos meus trabalhos, mas os arquitetos, não”

Formado em 1960, Ruy Ohtake atua na prática arquitetônica há mais de cinco décadas, tendo trabalhado juntamente com outros grandes nomes da arquitetura brasileira, como Vilanova Artigas e Paulo Mendes da Rocha. Até meados da década de 1980, sua produção

Projeto “Volume Vivo” investiga a crise hídrica do estado de São Paulo

Preocupado com a pior crise hídrica que a cidade de São Paulo vive nos últimos 80 anos, o cineasta Caio Ferraz resolveu fazer uma série de mini documentários sobre o assunto para explicar as múltiplas causas da falta de água.

Mulheres na Arquitetura e Urbanismo: CAU/BR cria Comissão de Equidade de Gênero

Conselheiros do CAU/BR aprovaram a criação de uma Comissão Temporária de Equidade de Gênero no conselho, com o objetivo de cumprir a missão de promover Arquitetura e Urbanismo para todos – sem distinção de gênero. A principal finalidade da comissão

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta