Projeto “Volume Vivo” investiga a crise hídrica do estado de São Paulo

Projeto “Volume Vivo” investiga a crise hídrica do estado de São Paulo

Teaser 2 do projeto Volume Vivo

 

Preocupado com a pior crise hídrica que a cidade de São Paulo vive nos últimos 80 anos, o cineasta Caio Ferraz resolveu fazer uma série de mini documentários sobre o assunto para explicar as múltiplas causas da falta de água e as soluções que o governo, empresas e cidadãos podem adotar para superar o problema.

Até dezembro ele planeja produzir as reportagens de 6 minutos cada explicando não apenas os problemas e as notícias negativas de como chegamos à situação atual, mas também o que já está sendo feito, o que está em desenvolvimento e o que podemos melhorar na utilização de um recurso tão fundamental à vida, seja na forma de distribuição, reuso, tratamento e tecnologia de captação. Para o cineasta é preciso melhorar o debate sobre recursos hídricos, explicar sobre infraestrutura e alertar sobre o desperdício.

Caio Ferraz já pesquisa o assunto há 7 anos e produziu uma reportagem contando a história de São Paulo pela ótica da sua relação com os córregos urbanos, “Entre Rios” (2009). O projeto “Volume Vivo” começou com a necessidade de melhorar a informação sobre o uso da cota de reserva técnica das represas do sistema Cantareira, o chamado volume morto. “O objetivo é levar à sociedade civil um maior entendimento sobre a gestão da água na região, encarando a crise como um momento para repensamos o modo como lidamos com a água na macrometrópole paulistana”, disse o autor do projeto ao site da revista INFO.  Ele trabalha em parceria com o jornalista Luiz Miller.

Se você quiser contribuir para a realização dos mini documentários, faltam apenas 4 dias para o final da campanha de crowdfounding na plataforma Sibite.



Artigos relacionados

Novo acordo para criação do Parque Augusta

A apropriação do terreno, discutida desde a década de 1970, foi oficialmente concedida aos apoiadores do Parque Augusta. O acordo firmado entre a prefeitura e as construtoras Cyrela e Setin como solução para tornar o espaço público já havia sido

Prefeitura de São Paulo planeja retirar mosaicos portugueses de calçadões

As pedras devem ser substituídas por concreto a partir de janeiro. A justificativa da prefeitura é de que o novo piso facilita a acessibilidade e tem menor custo de manutenção – cerca de 6 vezes mais barato. De acordo com

CAU/BR lança Comentários ao Código de Ética e Disciplina

Quais as obrigações do arquiteto e urbanista para com seu contratante? Como proceder em uma atividade técnica que continua o trabalho realizado por outro colega profissional? É infração oferecer e vender projetos arquitetônicos pela Internet? O CAU/BR lançou o livro

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta