Projeto “Volume Vivo” investiga a crise hídrica do estado de São Paulo

Projeto “Volume Vivo” investiga a crise hídrica do estado de São Paulo

Teaser 2 do projeto Volume Vivo

 

Preocupado com a pior crise hídrica que a cidade de São Paulo vive nos últimos 80 anos, o cineasta Caio Ferraz resolveu fazer uma série de mini documentários sobre o assunto para explicar as múltiplas causas da falta de água e as soluções que o governo, empresas e cidadãos podem adotar para superar o problema.

Até dezembro ele planeja produzir as reportagens de 6 minutos cada explicando não apenas os problemas e as notícias negativas de como chegamos à situação atual, mas também o que já está sendo feito, o que está em desenvolvimento e o que podemos melhorar na utilização de um recurso tão fundamental à vida, seja na forma de distribuição, reuso, tratamento e tecnologia de captação. Para o cineasta é preciso melhorar o debate sobre recursos hídricos, explicar sobre infraestrutura e alertar sobre o desperdício.

Caio Ferraz já pesquisa o assunto há 7 anos e produziu uma reportagem contando a história de São Paulo pela ótica da sua relação com os córregos urbanos, “Entre Rios” (2009). O projeto “Volume Vivo” começou com a necessidade de melhorar a informação sobre o uso da cota de reserva técnica das represas do sistema Cantareira, o chamado volume morto. “O objetivo é levar à sociedade civil um maior entendimento sobre a gestão da água na região, encarando a crise como um momento para repensamos o modo como lidamos com a água na macrometrópole paulistana”, disse o autor do projeto ao site da revista INFO.  Ele trabalha em parceria com o jornalista Luiz Miller.

Se você quiser contribuir para a realização dos mini documentários, faltam apenas 4 dias para o final da campanha de crowdfounding na plataforma Sibite.



Artigos relacionados

Câmara lança aplicativo do Novo Plano Diretor de São Paulo

Um aplicativo para o cidadão se informar sobre o Novo Plano Diretor de São Paulo

Código de Ética e Disciplina do CAU/BR – 1.1.3

A diretriz 1.1.3 do Código de Ética e Disciplina do CAU/BR estabelece a relação do arquiteto com o patrimônio arquitetônico.

Mario Figueroa fala sobre o Museu da Memória e dos Direitos Humanos, no Chile

Reportagem sobre a arquitetura do Museu da Memória e Direitos Humanos do Chile, criado pelo arquiteto Mário Figueroa.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Seu e-mail nâo será publicado.
Campos obrigatórios estão marcados*