Reformas no Pacaembu serão entregues à iniciativa privada

Reformas no Pacaembu serão entregues à iniciativa privada

Patrimônio histórico tombado há mais de 20 anos, o Pacaembu deverá ser entregue à iniciativa privada no ano que vem. A empresa que se tornar responsável pelo estádio, durante os próximos 35 anos, deverá, contudo, seguir uma série de procedimentos aprovados no Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental de São Paulo, que dirão quais mudanças poderão ou não serem feitas no local.

Algumas empresas, como a Tetra, SBP e Casa Azul já demonstraram interesse. Nenhuma das proposta apresentadas foram recusadas; segundo o Condephaat, elas estão em fase de estudo. Todas deverão respeitar as diretrizes definidas para, somente então, o Conpresp avaliar os projetos e ajudar a prefeitura a escolher o vencedor. Em seguida, será aberto edital para escolher a empresa que o colocará em prática.

O documento, que foi aprovado na segunda-feira (04), aponta algumas condições, para que o Pacaembu continue tendo os elementos que o fizeram ser tombado. Entre elas:

Tobogã. Segundo o Conpresp não há empecilhos para a demolição total ou parcial. Essa é a oportunidade para que a área retome sua função original.

Cobertura. Atualmente, o espaço é proibido de realizar shows em decorrência do barulho, que  incomoda os moradores do entorno. Dessa forma, para que o Estádio volte a receber apresentações, seria necessário cobrí-lo. O Conpresp, contudo, coloca duas condições: a cobertura precisa respeitar o formato da estrutura do estádio (ferradura) e precisa ser transparente.

Estádio. Não será permitida qualquer demolição ou construção, mesmo que parcial, na estrutura do estádio.

Praça Charles Miller. Não serão permitidas quaisquer alterações na Praça.

Conjunto Esportivo. O ginásio de médio porte, a piscina – apta a receber competições internacionais, além da quadra e do ginásio de tênis fazem parte do tombamento e precisam permanecer em sua forma original. Podem contudo, serem restaurados.  

 



Artigos relacionados

Especial Dia da Mulher: Elisabete França

Elisabete é arquiteta e urbanista nascida em Curitiba. Atualmente é diretora do Studio2E Ideias Urbanas e professora em cursos de graduação e especialização, em instituições como a Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) e o núcleo de estudos USPCidades. Entre 1993 e 2000, coordenou o Programa de Saneamento Ambiental da Bacia do Guarapiranga, respondendo pela urbanização de mais de 100 favelas, entretanto, sua atuação recente mais conhecida aconteceu durante sua gestão como Superintendente da Secretaria Municipal de Habitação de São Paulo, entre 2005 e 2012.

Edifício Altino Arantes – o Banespão

Foi Ademar de Barros, como governador eleito, que em 1947 celebrou, por fim, a inauguração do Edifício Altino Arantes. Depois de oito anos de construção, o prédio hoje conhecido como Banespa – sede do Banco do Estado de São Paulo

Parque Urbano Internacional da Paz terá parceria do Sistema ONU no Brasil

Brasília ganhará a Praça e o Parque Urbano Internacional da Paz. A decisão foi anunciada em evento na Casa da ONU nesta segunda-feira (18), com a assinatura de um decreto pelo governador Rodrigo Rollemberg. A iniciativa é uma parceria do

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta