Reformas no Pacaembu serão entregues à iniciativa privada

Reformas no Pacaembu serão entregues à iniciativa privada

Patrimônio histórico tombado há mais de 20 anos, o Pacaembu deverá ser entregue à iniciativa privada no ano que vem. A empresa que se tornar responsável pelo estádio, durante os próximos 35 anos, deverá, contudo, seguir uma série de procedimentos aprovados no Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental de São Paulo, que dirão quais mudanças poderão ou não serem feitas no local.

Algumas empresas, como a Tetra, SBP e Casa Azul já demonstraram interesse. Nenhuma das proposta apresentadas foram recusadas; segundo o Condephaat, elas estão em fase de estudo. Todas deverão respeitar as diretrizes definidas para, somente então, o Conpresp avaliar os projetos e ajudar a prefeitura a escolher o vencedor. Em seguida, será aberto edital para escolher a empresa que o colocará em prática.

O documento, que foi aprovado na segunda-feira (04), aponta algumas condições, para que o Pacaembu continue tendo os elementos que o fizeram ser tombado. Entre elas:

Tobogã. Segundo o Conpresp não há empecilhos para a demolição total ou parcial. Essa é a oportunidade para que a área retome sua função original.

Cobertura. Atualmente, o espaço é proibido de realizar shows em decorrência do barulho, que  incomoda os moradores do entorno. Dessa forma, para que o Estádio volte a receber apresentações, seria necessário cobrí-lo. O Conpresp, contudo, coloca duas condições: a cobertura precisa respeitar o formato da estrutura do estádio (ferradura) e precisa ser transparente.

Estádio. Não será permitida qualquer demolição ou construção, mesmo que parcial, na estrutura do estádio.

Praça Charles Miller. Não serão permitidas quaisquer alterações na Praça.

Conjunto Esportivo. O ginásio de médio porte, a piscina – apta a receber competições internacionais, além da quadra e do ginásio de tênis fazem parte do tombamento e precisam permanecer em sua forma original. Podem contudo, serem restaurados.  

 



Artigos relacionados

Arquiteturas: Galeria Metrópole

Exemplo de arquitetura moderna da década de 60, a Galeria Metrópole volta aos tempos de glória com a retomada da valorização do centro de São Paulo

Lúcio Costa

O urbanista que inventou Brasília era filho de brasileiros em serviço no exterior e nasceu na França. Estudou pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas-Artes, formou-se em 1924 e foi nomeado diretor da mesma instituição em 1930.

Primeira edição do Arq21 debate assuntos ligados à metrópoles contemporâneas

Inicia nesta quarta-feira, dia 24 de fevereiro, o circuito de seminários do projeto Arq21, realizado pelo IAB.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta