Rio Carioca: primeiro curso d’água urbano do país a virar patrimônio cultural

Rio Carioca: primeiro curso d’água urbano do país a virar patrimônio cultural

A água que percorre os bairros de Cosme Velho, Laranjeiras, Catete, e desemboca na Praia do Flamengo é, desde o dia 27 de dezembro de 2018, considerada patrimônio cultural e natural. O rio Carioca é o primeiro curso d’água urbano tombado no país pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac).

A luta para manter os 5,5 quilômetros de extensão limpos foi árdua. Mas, após programas de conscientização, os moradores dos arredores perceberam o que o lixo representava e causaria ao rio. A ele são ligados dois reservatórios, também tombados pelo Inepac, e que abastecem a cidade com água potável.

A Caixa da Mãe D’Água, de 1744, está na fase final de restauração. As obras estão previstas para terminar em março. O local, administrado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), terá um jardim e será aberto à visitação. Mas, segundo o ICMBio, ainda não há previsão para que o público possa usufruir do espaço.

Foto: Luciano Caetano/Divulgação

 

Fonte: O Globo

 



Artigos relacionados

InfoPatrimônio: uma plataforma que reúne o patrimônio cultural brasileiro

Reunir, em um só lugar, todo o patrimônio cultural brasileiro tombado ou registrado nas quatro instâncias – internacional, federal, estadual e municipal – é a principal meta do InfoPatrimônio, uma ação pioneira com o uso de georreferenciamento. A plataforma existe

Conpresp aprova tombamento do Complexo do Carandiru e de prédios, piscinas e estádio da USP

Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp) aprovou o tombamento do Complexo do Carandiru, na Zona Norte, e de um conjunto de imóveis da Universidade de São Paulo, na Zona Oeste.

Ruy Ohtake: “A população gosta muito dos meus trabalhos, mas os arquitetos, não”

Formado em 1960, Ruy Ohtake atua na prática arquitetônica há mais de cinco décadas, tendo trabalhado juntamente com outros grandes nomes da arquitetura brasileira, como Vilanova Artigas e Paulo Mendes da Rocha. Até meados da década de 1980, sua produção

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta