São Paulo e Rio – potencial para serem cidades globais

São Paulo e Rio – potencial para serem cidades globais

Nova York, Londres, Paris, Tóquio e Hong Kong lideram o ranking da A. T. Kearney, uma consultoria internacional, como as cidades mais globais do planeta. Antes da atual crise argentina, Buenos Aires entrou na lista dos 20 lugares que mais atraem empresas, estudantes, turistas e que concentram talentos e ideias. Buenos Aires ganhou pontos pelo capital humano, oportunidade de negócios e opções culturais. A avaliação foi feita antes da crise argentina.
São Paulo e Rio de Janeiro aparecem no ranking das cidades de países emergentes com potencial de se tornarem mais globalizadas no futuro, logo após Jakarta, Manila, Addis Abeba, vem São Paulo, Nova Deli e Rio de Janeiro. As cidades brasileiras pontuam bem em “ambiente de negócios”, ou seja, atrair empresas e investidores.
Na lista da A. T. Kearney, as metrópoles brasileiras precisaria melhorar a qualificação profissional de sua mão de obra e ter mais habitantes com ensino superior. Outro critério de globalização é a capacidade da metrópole de trazer universidades e estudantes estrangeiros.


Artigos relacionados

Avenida Paulista é considerada pólo cultural em são Paulo

Ao longos dos 126 anos de existência foram construídas casas, escritórios, lojas, parques, restaurantes, estações de metrô, ciclovias, centros de serviço e comércio, etc. Hoje, a Avenida Paulista, localizada no centro da capital paulista, atingiu a categoria de polo cultural.

Grandes metrópoles, um território desafiador para arquitetos e urbanistas

A metropolização da vida humana é um processo irreversível. Apesar de todos os problemas, as grandes cidades continuam a atrair gente, negócios, talentos e novas construções. Muitas delas já deixaram de crescer vertiginosamente, mas não sem antes alcançarem a casa

Plano Piloto de Brasília

A nova capital foi projetada com um modelo urbanístico inovador. Seu plano piloto adota os preceitos da famosa Carta de Atenas, de 1933. O documento redigido pelo arquiteto franco-suíço Le Corbusier propunha um zoneamento seletivo, com uma divisão de áreas segundo quatro funções: habitar, trabalhar, circular e recrear.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta