Os incríveis anos 50, por Sérgio Parada

Os incríveis anos 50, por Sérgio Parada

A vertente mais importante da arquitetura é o Humanismo, segundo Sérgio Parada – curitibano, atua em Brasília no escritório Sérgio Roberto Parada Arquitetos e Associados. Para ele o arquiteto tem a função de entender as necessidades e dinâmicas da vida do usuário daquela construção, seja uma família ou a população de uma cidade inteira. Além disso, há uma responsabilidade ambiental que paira sobre o profissional, nas escolhas dos materiais e nas soluções para combater o desperdício dos recursos. 

Exclusivamente para o portal Arquitetura e Urbanismo para Todos, do CAU/BR, Paulo Markun conversou sobre estas e outras questões com Sérgio Parada, confira:

 

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=0Akgv4dUp68&w=832&h=h468]

 

Temas:
00:00 O que é arquitetura?
00:28 Discussão sobre o “bom projeto”
01:54 Bons exemplos: a produção de João Filgueiras Lima
05:22 O que o arquiteto aprende com o usuário de seus projetos



Artigos relacionados

Índio da Costa: quando entra má arquitetura o projeto encarece

Para o arquiteto Índio da Costa, houve nos anos 50 um terreno fértil para a arquitetura no sentido de que o tempo técnico para o planejamento do projeto era respeitado. Hoje em dia isso não acontece.

A fase áurea da arquitetura, por Luciano Margotto

Para o portal Arquitetura e Urbanismo Para Todos do CAU/BR, Paulo Markun entrevistou o arquiteto Luciano Margotto, professor da Escola da Cidade e sócio do escritório República Arquitetos. Para ele, a arquitetura em sua época áurea, era elitizada. Houve um aumento do número de

A boa arquitetura, arquitetos Dal Pian

    [youtube https://www.youtube.com/watch?v=FrxNg_iFYfE&w=832&h=h468] Renato e Lilian Dal Pian, sócios do escritório Dal Pian Arquitetos falam sobre o que é a boa arquitetura. Para Renato, é uma atividade com ampla escala – vai da cidade à colher. Entrevista para o portal

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta