E a velha fábrica ganhou nova vida

E a velha fábrica ganhou nova vida

Concebido por Lina Bo Bardi em colaboração com André Vainer e Marcelo Ferraz, o Sesc Fábrica da Pompéia é um dos exemplos mais bem sucedidos de criação de um espaço público de lazer, cultura e esporte construído na cidade de São Paulo. Aproveitando a antiga estrutura da Fábrica de Tambores da Pompéia e inspirando-se na ocupação espontânea dos moradores do bairro, Lina desenhou um espaço de uso flexível destinado à fruição de exposições, ao estar, ao ócio, ao encontro, à leitura, às brincadeiras e jogos lúdicos aquecido por uma grande lareira, regado pelo espelho d’água e iluminado pelas telhas transparentes da nova cobertura.

Nos outros galpões ela desenhou as áreas de comer, o teatro, os ateliês, almoxarifado e manutenção, estes últimos destinados atualmente a eventos diversificados. A rua de acesso aos galpões leva ao deck praia paulista e ao conjunto esportivo, compostos de dois edifícios em concreto armado que contrastam com o edifício da antiga fábrica ao mesmo tempo em que contribuem para o clima de sonho e alegria que Lina tão bem soube preservar.




Artigos relacionados

Projeto “Volume Vivo” investiga a crise hídrica do estado de São Paulo

Preocupado com a pior crise hídrica que a cidade de São Paulo vive nos últimos 80 anos, o cineasta Caio Ferraz resolveu fazer uma série de mini documentários sobre o assunto para explicar as múltiplas causas da falta de água.

Aterro do Flamengo

O chamado Aterro do Flamengo, que ocupa a orla da baía de Guanabara – entre o Aeroporto Santos Dumont e a enseada de Botafogo datam da década de 1950 (o parque foi projetado entre 1954 a 1959), mas suas obras só começaram em 1961, no governo de Carlos Lacerda.

Arquitetura Sustentável: 6 vistas aéreas que mostram como nossas cidades são desiguais

Esta é a vista aérea de um condomínio de luxo e de uma favela, na Cidade do México. Em muitas metrópoles é possível observar, escancaradamente, construções de luxo próximas às favelas, onde as condições de vida muitas vezes beiram o miserável.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Seu e-mail nâo será publicado.
Campos obrigatórios estão marcados*