Superquadras

Superquadras

Inaugurada há cinquenta anos, Brasília marca, entre outras coisas, o desejo de propor uma nova sociabilidade urbana, que tem na escada residencial o seu desenvolvimento mais radical. Disposta ao longo do eixo norte-sul, a área residencial foi desenhada como um contraponto à cidade tradicional. Inspirado na cidade-verde do arquiteto franco-suíço Le Corbusier, Lúcio Costa propõe a liberação do térreo para a cidade renegando a sua usual divisão em lotes de propriedade privada. A medida garantia uma gama enorme de possibilidades de desenhos de implantação dos onze edifícios lineares de seis pavimentos sobre pilotis que compunham uma quadra, a unidade entre elas sendo alinhavada pelo cinturão verde que as envolvia.

Cada conjunto de quatro quadras formava uma superquadra, unidade de vizinhança semelhante à proposta pelo urbanista inglês Ebenezer Howard, provida de equipamentos de serviços e comércio para a comunidade distribuídos ao longo dos eixos de acesso que a separava.

Somente as quadras 107, 108, 307 e 308 seguem à risca o plano de Costa e formam uma unidade de vizinhança que se destaca das demais, não só em função da implantação de todos os equipamentos previstos, mas também porque alguns deles, como a capela, foram projetados por Affonso Eduardo Reidy. Além disso, os edifícios habitacionais foram concebidos por Oscar Niemeyer, a sua implantação servindo de modelo para outras quadras construídas posteriormente.



Artigos relacionados

João Batista Vilanova Artigas

Vilanova Artigas foi um expoente da chamada Escola Paulista de arquitetura moderna. Ele lecionou e reformulou o curso de arquitetura da da FAU – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, prédio que ele mesmo projetou, transformando a própria estrutura do espaço acadêmico em uma aula de arquitetura.

Uma cidade chamada Copan

Situado na avenida Ipiranga, no centro de São Paulo, o edifício Copan é um marco da arquitetura modernista e um dos símbolos da cidade. Suas linhas sinuosas carregam a marca do arquiteto Oscar Niemeyer.

Avenida Paulista é considerada pólo cultural em são Paulo

Ao longos dos 126 anos de existência foram construídas casas, escritórios, lojas, parques, restaurantes, estações de metrô, ciclovias, centros de serviço e comércio, etc. Hoje, a Avenida Paulista, localizada no centro da capital paulista, atingiu a categoria de polo cultural.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta