Sylvio de Podestá: não houve anos dourados

Sylvio de Podestá: não houve anos dourados
[youtube https://www.youtube.com/watch?v=LfCQtHCSfl0&w=832&h=468]

Para o portal Arquitetura e Urbanismo Para Todos do CAU/BR, Paulo Markun entrevistou a arquiteto Sylvio de Podestá, um crítico da arquitetura modernista que teve seu apogeu nos anos 50 do século passado.

Nascido em 1952, vive e trabalha em Belo Horizonte. É engenheiro arquiteto formado pela EAUFMG (1982) e sócio diretor da AP Cultural,   editora de livros e revistas de arquitetura, design e meio ambiente.

Temas:

00:00 Arquitetura brasileira dos anos 50
04:45 Verticalização
08:17 O que o arquiteto pode aprender com o usuário de seu projeto?
11:10 Otimismo com relação à arquitetura



Artigos relacionados

Entrevista: Clóvis Ilgenfritz, pioneiro na Arquitetura de Habitação Social no Brasil

Clóvis Ilgenfritz da Silva é arquiteto e urbanista nascido em Ijuí, uma das mais populosas cidades da região noroeste do Rio Grande do Sul. Formado em 1965 pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Clóvis dedicou sua vida

Índio da Costa: quando entra má arquitetura o projeto encarece

Para o arquiteto Índio da Costa, houve nos anos 50 um terreno fértil para a arquitetura no sentido de que o tempo técnico para o planejamento do projeto era respeitado. Hoje em dia isso não acontece.

Rosa Kliass e a síndrome de Deus

Rosa Kliass paisagista, de 82 anos, nasceu em São Roque e formou-se arquiteta na FAU-USP. Ela é fundadora e ex-presidente da APAB (Associação Brasileira de Arquiteos Paisagistas) fez o projeto paisagístico do Parque da Juventude e a reforma do Vale

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta