Anunciados os vencedores do 5º Prêmio de Arquitetura Instituto Tomie Ohtake Akzonobel

Anunciados os vencedores do 5º Prêmio de Arquitetura Instituto Tomie Ohtake Akzonobel

A exposição com as obras vencedoras fica aberta até o dia 23 de setembro. Os 13 projetos finalistas – selecionados entre os 244 inscritos, provenientes de 17 Estados brasileiros e Distrito Federal – fazem parte da exposição no Instituto Tomie Ohtake.

 

Conheça os premiados:

Hors concours

Sesc 24 de Maio (São Paulo – SP)

Arquitetura: Paulo Mendes da Rocha + MMBB Arquitetos / Paulo Mendes da Rocha, Marta Moreira, Milton Braga e Fernando de Mello Franco

Foto: Romullo Fontenelle

 

1º Lugar

Parque Novo Santo Amaro V (São Paulo – SP)

Arquitetura: Vigliecca & Associados / Héctor Vigliecca, Luciene Quel, Neli Shimizu e Ronald Werner Fiedler

Foto: Instituto Tomie Ohtake

 

2º Lugar

Hostel Villa 25 (Rio de Janeiro- RJ)

Arquitetura: C+P Arquitetura / Rodrigo Calvino e Diego Portas

Foto: Instituto Tomie Ohtake

 

3º Lugar

Casa no Cerrado (Moeda – MG)

Arquitetura: Vazio S/A / Carlos M. Teixeira

Foto: Instituto Tomie Ohtake

 

Menção Honrosa – Sustentabilidade

Vila Taguaí (Carapicuíba, SP)

Arquitetura: Cristina Xavier Arquitetura / Cristina Xavier

 

Menção Honrosa – Cor

Residência em Gonçalves (Gonçalves – MG)

Arquitetura: André Vainer Arquitetos / André Vainer

 

A seleção foi feita por um júri formado pelos arquitetos Adriana Benguela, Fábio Mariz Gonçalves, José Lira, Marcos Boldarini e Priscyla Gomes. Em 2018, registrou-se um aumento de 31,18% no volume de inscrições em relação à edição anterior. Entre os finalistas há obras localizadas em São Paulo, Minas Gerais, Pernambuco, Distrito Federal, Bahia e Rio Janeiro.

Fonte: Instituto Tomie Ohtake

 



Artigos relacionados

Câmara pede urgência para PL que torna crime o exercício ilegal da arquitetura

O projeto de lei 6699/2002, de autoria de José Carlos Coutinho, está parado há 15 anos.   A proposta, que torna crime contra a saúde pública o exercício ilegal das profissões de arquiteto e urbanista, agrônomo, engenheiro, médico, dentista e

Rio Carioca: primeiro curso d’água urbano do país a virar patrimônio cultural

A água que percorre os bairros de Cosme Velho, Laranjeiras, Catete, e desemboca na Praia do Flamengo é, desde o dia 27 de dezembro de 2018, considerada patrimônio cultural e natural. O rio Carioca é o primeiro curso d’água urbano

Rio de Janeiro é consagrado pela UNESCO como a primeira capital mundial da arquitetura

O título foi concedido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) na manhã da sexta, 18 de janeiro, em cerimônia realizada na sede da entidade em Paris e é decorrente da realização do

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta