Arquiteto de Curitiba finalista de prêmio internacional

Arquiteto de Curitiba finalista de prêmio internacional

Entre os três finalistas do prêmio Wheelwrigth 2020 da Faculdade de Design da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, está um brasileiro, o arquiteto curitibano Gustavo Utrabo.

O prêmio está em sua oitava edição e pretende incentivar arquitetos jovens de todo o mundo a produzir pesquisas relevantes e inovadoras, que se traduzam em projetos.

O trabalho de Utrabo investiga  afusão da natureza e da cultura através da matéria. Busca entender como a madeira, desde seu status natural e cru até seu uso final na arquitetura, pode ser usada como recurso primordial para compor uma manifestação cultural.

Ao todo 168 profissionais de 45 países diferentes estavam na disputa pelos cem mil dólares da láurea, suficientes para custear dois anos de pesquisa. O júri inclui arquitetos convidados, como a espanhola Anna Puigjaner, o inglês Tom Emerson e o belga Wonne Ickx e o vencedor será anunciado nos próximos dias.

Utrabo já tinha recebido uma das maiores honrarias do mundo, o RIBA International Prize em 2018, sendo apontado como o principal arquiteto em ascensão do mundo. Ele se formou em arquitetura e Urbanismo em 2010 pela Universidade Federal do Paraná e em 2014, especializou-se em História e Literatura pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná.


Artigos relacionados

Prática profissional e o reconhecimento da produção feminina na arquitetura e urbanismo

No dia 02 de março, na semana em que se comemora o Dia Internacional das Mulheres, será realizada a palestra  “A prática profissional e o reconhecimento da produção feminina na arquitetura e urbanismo”, que abordará a inserção feminina na arquitetura

Projeto Vivenda inaugura primeira loja de materiais de construção para população de baixa renda

A Comissão de Política Profissional do CAU/BR visitou a primeira loja de materiais de construção para a população de baixa renda do Projeto Vivenda, no Bairro Jardim Ibirapuera, em São Paulo. O objetivo foi conhecer e incentivar a criação de

É nas cidades desiguais que o futuro vai surgir

Paulo Markun   Nos dias que correm, congressos e seminários profissionais costumam olhar mais para o umbigo de seus participantes que para a realidade em torno. Pautas específicas, demandas corporativas, especialização, tudo conspira para que as discussões e debates girem

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta